Furacões: temporada 2018 deve ser tão agitada quanto no ano passado

Furacões: temporada 2018 deve ser tão agitada quanto no ano passado

Edição de abril/2018 – p. 17

Com informações da CNN

Após a devastadora ação do furacão Irma em setembro passado, as previsões para a chamada “Hurricane Season” em 2018 estão ainda mais alarmantes. O período das tempestades vai de junho a novembro, e de acordo com as análises do clima feitas pela Universidade Estadual do Colorado (Colorado State University – CSU), pelo menos 14 tempestades já são esperadas, sete delas com possibilidade de se tornarem furacões e destas, três com maior potencial de impacto na costa americana. Ainda de acordo com a previsão da CSU, a possibilidade de, pelo menos, uma destas tempestades atingirem o país é de 63%, acima da média da temporada, de 52%.

“A última temporada esteve perto de um recorde na temperatura da superfície do Atlântico”, afirma dr. Phil Klotzbach, que é pesquisador da Universidade Estadual do Colorado. Se por um lado, uma parte do Atlântico está quente demais, a outra esfriou demais. Essa diferença de temperatura é crucial para o desenvolvimento de tempestades mais robustas como o furacão Mathew, que ficou na memória dos americanos por ser um dos mais devastadores da história.

Mesmo com a oficial temporada de furacões começando em junho, a grande maioria das tempestades acontecem entre metade de agosto e metade de outubro, o que significa que esta previsão chega com cerca de quatro meses de antecedência.

El Niño e La Niña – os termos meteorológicos já são conhecidos e são influenciadores na ocorrência de furacões. O El Niño é caracterizado pelo aquecimento acima do normal na região equatorial do Pacífico e que causa impactos no clima do mundo inteiro. Na ocorrência do El Niño, porém, o surgimento dos furacões é mais difícil. Mas para o caso do La Niña a situação é o inverso: quando este fenômeno ocorre, há o resfriamento das águas do Pacífico, o que acaba deixando o ambiente favorável para o desenvolvimento de furacões. Ambos fenômenos são acompanhados por vários cientistas com o intuito de prever e preparar a população para o caso de tempestades mais fortes. Uma nova previsão para a temporada deve ser lançada até o fim de maio.

 

15 dicas para residentes se protegerem do furacão

  • Apare árvores e arbustos ao redor da sua casa. Remova galhos secos que possam voar durante a tempestade;
  • Limpe os bueiros para a água escorrer e prevenir enchentes;
  • Traga para dentro de casa qualquer utensílio solto no quintal, como brinquedos, vasos de planta, mobília e quaisquer outros objetos que possam voar e causar acidentes e/ou danos;
  • Certifique-se de que galpões (sheds), casas de crianças e outras construções frágeis e leves que ficam no quintal estejam bem amarradas;
  • Tire do chão artigos que estão no porão (basement) para protegê-los caso encha de água;
  • Se necessário, cubra as janelas e portas de vidro com madeira para prevenir que os vidros quebrem.
  • Mantenha o tanque do carro cheio;
  • Tenha uma quantia razoável de dinheiro em casa. Se faltar energia você não vai conseguir tirar dinheiro do banco;
  • Faça uma lista dos seus bens pessoais e até tire fotos para o caso de você ter danos pessoais;
  • Proteja seus documentos mais importantes, como seguros da casa, documentos pessoais, talão de cheque e seguro de saúde. Coloque tudo em uma caixa, ou depósito, à prova d’água;
  • Saiba onde estão os registros de gás e água na sua casa, para fechá-los em caso de necessidade;
  • Tranque portas e janelas para protegê-las dos ventos fortes;
  • Tenha um kit de emergência com pomadas, gaze, algodão e outras coisas que achar necessárias para curativos;
  • Tenha um plano de comunicação com seus familiares, caso vocês se separem, para reencontrá-los quando a tempestade passar;
  • Tenha em mãos o telefone da prefeitura da sua cidade ou do Corpo de Bombeiros. Saiba como pedir socorro, caso seja necessário.