Funcionários de aeroportos da Flórida reclamam: sobrecarregados e mal pagos

Estressados, funcionários de aeroportos da Flórida reclamam de salários baixos e da falta de benefícios

Segundo pesquisa sindical, 85% dos trabalhadores dos aeroportos da Flórida, incluindo manipuladores de bagagem, atendentes de cadeira de rodas e faxineiros de cabine não conseguem pagar moradia. Exigem melhores salários

Da Redação – Trabalhadores de aeroportos da Flórida se manifestam, exigindo melhores salários das companhias aéreas, alegando a falta de benefícios. Uma breve paralisação dos funcionários do “Aeroporto Internacional de Orlando” esta semana, mostrou o descontentamento do pessoal de terra, que fala de trabalho excessivo e baixos salários.

Segundo pesquisa sindical, 85% dos trabalhadores nos maiores aeroportos da Flórida, incluindo manipuladores de bagagem, atendentes de cadeira de rodas e faxineiros de cabine, não podiam pagar seus custos de moradia e 90% não tiveram licença médica remunerada enquanto trabalhavam durante a pandemia.

______continua após a publicidade_______

seguro

Uma funcionária da Argentina disse em entrevista que nunca esteve tão cansada em seus 10 anos trabalhando como faxineira no “Aeroporto Internacional de Miami”. A falta de pessoal, atrasos e cancelamentos a fizeram trabalhar em excesso, limpando 10 a 11 aviões por dia, acima dos sete aviões por dia que ela costumava limpar antes da pandemia.

No “Aeroporto Internacional de Fort Lauderdale-Hollywood”, os trabalhadores dizem que as condições são semelhantes. A falta de funcionários levou funcionários a empurrar cadeiras de rodas para dois passageiros ao mesmo tempo, ou ter que dificultar decisões sobre quem atender primeiro. Em reunião no saguão do aeroporto, os funcionários exigiam melhores condições de trabalho, incluindo melhor remuneração salarial.

Dificuldades com inflação

Com a alta dos preços nos supermercados, alta dos aluguéis e combustíveis, os funcionários dos aeroportos da Flórida dizem que a situação se torna insustentável, com horas ininterruptas de trabalho, encargos além das possibilidades, frente aos baixos salários. O sindicado dos trabalhadores de aeroportos da Flórida – Service Employees International Union (SEIU) –, enfatiza dificuldades dos trabalhadores devido a inflação.

Enquanto trabalhavam durante a pandemia, 90% dos trabalhadores do aeroporto da Flórida, segundo o sindicado, ​​​​disseram que não tinham licença médica remunerada e 83% disseram que foram trabalhar enquanto estavam doentes porque não podiam perder um dia de pagamento.

“Os aeroportos estão indo muito bem, estamos em tempos de boom agora, e eles deveriam reconhecer os esforços do pessoal de terra com melhores salários”, disse Helene O’Brien, coordenadora da Flórida do 32BJ SEIU.

Os salários e benefícios são muito baixos, alta rotatividade, empregos com baixos salários e têm tudo a ver com a experiência do passageiro”, disse O’Brien. “A solução é que as companhias aéreas precisam exigir que os contratados paguem salários e benefícios mais altos e, se não o fizerem de bom grado, o estado ou o Congresso precisam garantir que o façam.”



____________________publicidade___________________

seguro

anuncie