Fluminense pode perder patrocínio master em 2014, diz André Rizek

Fluminense pode perder patrocínio master em 2014, diz André Rizek

Direção da Unimed deve passar por mudanças. De acordo com fontes do jornalista, que trabalham na empresa, logomarca ocupará apenas a manga

fluminense-campeaoA parceria de 14 anos vai acabar, a questão é de tempo. A Unimed deve modificar o formato de investimento no futebol do Fluminense, após possíveis alterações na sucessão da empresa em 2014. A logomarca vai deixar de ser a patrocinadora master para ocupar apenas a manga da camisa. A informação foi do jornalista André Rizek, durante o “Redação SporTV”, do canal PFC. De acordo com ele, duas pessoas ligadas à empresa patrocinadora – nomes não revelados -, informaram que, muito provavelmente, o modelo de patrocínio será modificado na próxima temporada.

– Uma notícia que a gente sabe que as pessoas vão negar, mas que estamos apurando, e vamos afirmar aqui no “Redação SportTV”, muito embora a empresa envolvida vá negar em nota oficial quando for consultada, pois esse é o papel dela. No início do ano que vem, a empresa que hoje patrocina e, é parceira do Fluminense, vai passar por um processo de sucessão, então, vai haver uma eleição. É muito provável, não posso dizer que isso vai acontecer, pois ainda faltam alguns meses, mas tudo caminha para que essa empresa mude os moldes da sua relação com o Fluminense, passar de grande investidora do futebol tricolor para um patrocinador de manga. Se vocês consultarem, muito provavelmente, vão negar a informação. Mas é fato. Conversamos com mais de duas pessoas dessa empresa, e tudo leva a crer que a partir do ano que vem a relação mude. Aí começam as dúvidas de como vai ficar o Fluminense no ano que vem – disse André Rizek.

O jornalista Carlos Eduardo Mansur, do jornal o “O Globo”, levantou duas questões sobre a possível saída da Unimed. Se o clube terá estrutura para sobreviver sem a verba, e se o departamento de futebol tem um plano consistente para o clube, sem ser refém das preferências dos investidores.

– São duas grandes interrogações que vão se colar a partir daí. Primeiro, estaria o Fluminense preparado para sobreviver sem o patrocínio? O que talvez seja o lado pior e mais grave da coisa. Muita gente afirma que não tem essa estrutura para sobreviver sem esse suporte. A forma que se relaciona a patrocinadora, quase como um comando duplo dentro do futebol Fluminense, gera situações desconfortáveis, por vezes dão a sensação que não tem uma consistência de um projeto de departamento de futebol. Em especial, o fluxo de investimento aumenta e diminui ao sabor dos desejos de quem comanda, hoje, a patrocinadora. Por vezes se satisfaz com determinado treinador, ai abre o cofre para investimento e reforço de elenco. Por vezes, não. Por vezes, tem gosto pessoal por determinado jogador. Mas também se construiu, ao longo desse período, elencos muito fortes, o que é inegável, como o time que foi campeão brasileiro ano passado – destacou.

Campeão Brasileiro, da Libertadores e Mundial nos últimos dois anos, Mansur usa o Corinthians, adversário do tricolor carioca nesta quarta-feira, pelo Brasileirão, como exemplo de um bom plano de departamento de futebol a longo prazo.

– A gente pode entrar nisso melhor ao falar do jogo entre Fluminense e Corinthians. Existe uma aparente inconsistência de projeto, que é o oposto que a gente vê, por exemplo, no adversário, o Corinthians. Nos últimos cinco anos apresenta um projeto mais consistente de clube, são os últimos campeões brasileiros, mais com realidade diferentes em seus departamentos de futebol. Se pegar o time de 2009 do Corinthians, o primeiro ano no retorno à elite, é muito diferente do que é hoje. Mas a gente nunca leu, de 2009 a 2013, em início de temporada, que o Corinthians estava reformulando todo o seu time. Ele passou esses anos dando a sensação da manutenção de uma base e fazer pequenas modificações aos poucos. Isso aconteceu porque havia um projeto de equipe. Nunca teve um time totalmente novo que precisasse de tempo para se reestruturar.