Flórida interrompe divulgação sobre número de mortos por Covid nos condados

População da Flórida estaria sem informações sobre número de mortos por Covid nos condados

 

Dados sobre as pessoas que morreram vítimas da Covid-19 na Flórida são retidos pelo Departamento de Saúde da Flórida, que não os divulgam desde 4 de junho. Com isso, a falta de comunicação prejudicou o relacionamento entre os órgãos estadual e federal desde o início da pandemia

 

Da Redação 

Há 105 dias neste verão, que os governos estadual e federal pararam de divulgar o número de mortos por Covid-19 na Flórida. Com isso, o público não conseguiu mais descobrir quantas pessoas estavam morrendo da doença em cada condado do Estado. O Departamento de Saúde da Flórida, no entanto, tem os índices de vítimas fatais do vírus, mas parou de divulgar em 4 de junho. Foi quando as autoridades estaduais também pararam de divulgar dados diários da pandemia, mudaram para relatórios semanais e começaram a reter dados ao público.

Em vez de incluir as mortes no condado em seus relatórios semanais, o Estado direcionou o público a encontrar essas informações por meio dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC). Mas o CDC contou com o portal online da Flórida de dados Covid – que o estado também retirou em junho. A contagem de mortes do CDC para a Flórida ficou em branco.

O número de pessoas que morreram em cada condado da Flórida desapareceu de 4 de junho a 17 de setembro. A falta de comunicação prejudicou o relacionamento entre os órgãos estadual e federal desde o início da pandemia.

Um total de 4.437 residentes nos condados de Pinellas, Hillsborough, Pasco, Manatee, Polk, Hernando e Citrus morreram em quatro meses. Isso é uma média de 36 residentes de Tampa Bay morrendo a cada dia de complicações relacionadas a Covid de 5 de junho a 7 de outubro, de acordo com os dados mais recentes.

Os dados revelam como a última onda de Covid foi mortal em dois dos menores condados da região, a maioria rural: Citrus e Hernando estão em terceiro e quarto lugar em mortes por 100.000 residentes desde 5 de junho.

“Os problemas que a Flórida teve com os dados exibidos pelo CDC causaram grande confusão e permitiram que informações incorretas se perpetuassem em nosso estado”, escreveu o porta-voz do Departamento de Saúde da Flórida, Weesam Khoury, em um e-mail.

“O Departamento de Saúde, uma agência com aproximadamente 12.000 especialistas, incluindo epidemiologistas, está equipado para tomar decisões sobre os melhores e mais conhecidos dados”, disse Khoury.

O Departamento de Saúde da Flórida notificou o CDC sobre o assunto, mas ainda demorou dias para a agência federal começar a postar quantas pessoas estavam morrendo em cada condado. O episódio destaca um problema comum durante a pandemia: que diferentes governos relatam dados de maneiras diferentes, disse Beth Blauer, diretora executiva dos Centros de Impacto Cívico da Universidade Johns Hopkins.

“Esta é uma indicação de por que é necessário haver padrões que obriguem os relatórios”, disse ela. Sem esses padrões, os governos locais e estaduais precisam improvisar. Isso cria problemas quando as agências federais tentam agregar dados de diferentes governos locais.

O epidemiologista da Universidade do Sul da Flórida, Jason Salemi, disse que saber quantas pessoas estão morrendo em cada condado ajuda os residentes a responder a uma pergunta importante: “Eles querem saber: como isso me afeta em minha comunidade? ”