Flores e reconhecimento ao ‘Dia Internacional da Mulher’. Data de reflexão!

Mulheres no mundo são homenageadas pelo “Dia Internacional da Mulher”

 

O “Jornal Nossa Gente” homenageia a todas as mulheres neste dia 8 de março, pela sua coragem e empenho no contexto social. E nesse dia tão especial, flores, presentes, mensagens e frases. Também ocorrem conferências e eventos dedicados aos temas da igualdade de gênero, violência contra a mulher, conquistas e histórias de luta, feminismo, entre outros tópicos

 

Da Redação

Hoje é celebrado o “Dia Internacional da Mulher”, reverenciando a importância da mulher na sociedade e a história da luta pelos seus direitos. Galgando postos importantes no contexto social, elas estão presentes em momentos marcantes da esfera política, a exemplo de Kamala Harris, a primeira mulher a ocupar o cargo de vice-presidente dos EUA, evidenciando a força feminina. E nesse dia tão especial, pessoas as homenageiam com flores, presentes, mensagens e frases. Também  ocorrem conferências e eventos dedicados aos temas da igualdade de gênero, violência contra a mulher, conquistas e histórias de luta, feminismo, entre outros tópicos.

A mulher é hoje pauta mundial, e o “Jornal Nossa Gente” presta sua homenagem a todas elas, reconhecendo a sua força e coragem em tempos difíceis com a pandemia, que ameaçam a humanidade. Às mulheres nos hospitais – médicas e enfermeiras –, e nos demais segmentos de atuação, o reconhecimento por tantos esforços, incluindo na educação dos filhos e nos cuidados com a família. São elas que decidem – têm a palavra final –, em questões imprescindíveis.

Importante ressaltar que desde o final do século 19, organizações femininas oriundas de movimentos operários protestavam em vários países da Europa e nos EUA. As jornadas de trabalho de aproximadamente 15 horas diárias e os salários incompatíveis introduzidos pela Revolução Industrial levaram as mulheres a greves para reivindicar melhores condições de trabalho e o fim do trabalho infantil, comum nas fábricas durante o período.

O primeiro “Dia Nacional da Mulher” foi celebrado em maio de 1908 nos EUA, quando cerca de 1500 mulheres aderiram a uma manifestação em prol da igualdade econômica e política no país. No ano seguinte, o Partido Socialista dos EUA oficializou a data como sendo 28 de fevereiro, com um protesto que reuniu mais de três mil pessoas no centro de Nova York e culminou, em novembro de 1909, em uma longa greve têxtil que fechou quase 500 fábricas americanas.

 

A mulher na pandemia

Que as mulheres estão na linha de frente na luta contra a pandemia do coronavírus, não é novidade para ninguém, uma vez que elas também predominam no setor da saúde. Porém, muitas foram afetadas de forma implacável, seja porque seus empregos desapareceram ou foram reformatados, seja porque têm que ficar em casa com os filhos sem escola, ou porque são vítimas da violência doméstica durante os lock-downs.

Para aumentar a consciência sobre as dificuldades enfrentadas pelas mulheres durante a pandemia, e buscar evitar que progressos já alcançados sejam perdidos, a “Comissão Parlamentar dos Direitos da Mulher” da União Europeia (UE) marcou o “Dia Internacional da Mulher” deste ano com uma reunião interparlamentar, com o tema “Somos fortes: Mulheres liderando a luta contra Covid-19″, realizada na quinta-feira. Foi um momento solene, que atraiu as atenções de mulheres em várias partes do mundo.

Para muitas mulheres, o dia 8 de março é um dia de reflexão. É uma data  em que, pela sua história, as estatísticas da violência contra a mulher no mundo pesam mais, ficam mais doloridas. Outro fator é que a violência contra a mulher negra continua crescendo sem sequer receber a devida atenção da sociedade ou de políticas públicas adequadas e focadas neste recorte de gênero e raça.