Fla troca ‘pressão e cobrança’ por ‘tranquilidade e moral’, diz analista

Fla troca ‘pressão e cobrança’ por ‘tranquilidade e moral’, diz analista

Dida vê time carioca melhor que o Coritiba no aspecto psicológico e exalta papel do técnico Jayme de Almeida na reação no Brasileiro

Foto Ivo Gonzalez / Agencia O Globo
Foto Ivo Gonzalez / Agencia O Globo

O Flamengo venceu o Coritiba por 2 a 0, na noite desta quarta-feira, no Couto Pereira, e subiu quatro posições na tabela do Campeonato Brasileiro, atingindo o 11º lugar e deixando o adversário em 15º. O comentarista Dida destaca o momento do Rubro-Negro, que está invicto desde que Jayme Andrade assumiu o comando, e afirma que o time carioca cresce no momento certo, na reta final da competição e às vésperas do clássico contra o Vasco, no próximo domingo, no Mané Garrincha.

– O Flamengo é um time de muita pressão, cobrança. Então, essa vitória dá certa tranquilidade e moral. O futebol tem muito isso, você sai de uma fase ruim e, quando começa a conseguir dois ou três resultados, os jogadores vão crescendo e crescendo num momento bom – afirmou Dida para o SporTV News, exibido no PFC.

Para o comentarista, o técnico Jayme de Almeida tem papel fundamental neste crescimento. Desde que assumiu o cargo, antes ocupado por Mano Menezes, o Fla ainda não perdeu. Foram duas vitórias (Coritiba e Criciúma), um empate (Náutico) no Campeonato Brasileiro e um empate com o Botafogo, no jogo de ida das quartas de final da Copa do Brasil.

– Acho que o Jayme é um cara tranquilo, que conhece os bastidores, é respeitado por todos, e tem a alma do Flamengo. Os jogadores entenderam isso, que precisam ajudar o treinador, e todo mundo se uniu – afirmou.

No jogo contra o Coxa, o Flamengo abriu o placar aos 46 minutos do primeiro tempo, com André Santos. Na segunda etapa, antes que os donos da casa tentassem a reação, Wallace ampliou a vantagem, aos quatro minutos. Na opinião de Dida, o aspecto emocional pesou na partida, para as duas equipes.

– Foi equilibrado, mas o Flamengo foi um pouco melhor. Acho que, emocionalmente, o Flamengo esteve bem melhor no primeiro tempo e por isso fez 1 a 0. No segundo tempo, o Coritiba levou o segundo gol no começo e não conseguiu reação nenhuma. Mesmo com as mudanças foi um time sem inspiração, um time que está abalado psicologicamente – disse.

O comentarista acredita que o Coritiba não soube deixar do lado de fora a pressão pela queda de rendimento e responder após a chegada do técnico Péricles Chamusca.

– Os dois tinham a necessidade do resultado, muito mais o Coritiba porque não está numa sequência boa. A situação não está boa, com a entrada de um novo treinador, e a torcida está começando a pegar no pé. O Coxa sentiu esse lado emocional, não conseguiu jogar bem e sair da marcação.

Se o Flamengo tem o Vasco pela frente, domingo, às 16h, o Coritba encara o rival Atlético-PR, fora de casa, no mesmo dia e horário.