EUA querem iniciar a terceira dose da vacina contra Covid no final de setembro 

O governo Joe Biden planeja iniciar uma terceira dose da vacina a partir de 20 de setembro

 

O governo dos EUA deseja começar a administrar uma terceira dose da vacina contra a Covid a partir de 20 de setembro para aqueles que receberam a segunda dose oito meses antes. O anúncio foi feito pelo “Departamento de Saúde e Serviços Humanos” 

 

Da Redação 

Existem três vacinas Covid-19 licenciadas para uso emergencial nos EUA: Pfizer-BioNTech, Moderna e Johnson & Johnson. Todos os três imunizantes previnem doenças graves e morte, mas existem algumas diferenças em como cada vacina funciona. 

O governo dos EUA deseja começar a administrar uma terceira dose da vacina a partir de 20 de setembro para aqueles que receberam a segunda dose oito meses antes. 

O anúncio foi feito nesta quarta-feira pelo “Departamento de Saúde e Serviços Humanos” em comunicado conjunto com os principais médicos especialistas do Executivo. 

Antes de iniciar este processo, a terceira dose das vacinas Pfizer e Moderna deve ser aprovada pela “Food and Drug Administration” (FDA), a agência responsável pela aprovação dos soros, e um comitê científico dos “Centros de Controle e Prevenção de Doenças” (CDC) . 

O Governo explicou que tomou esta decisão após concluir que a eficácia das vacinas diminui com o tempo, após a administração das primeiras doses. 

“Os dados disponíveis deixam muito claro que a proteção contra a infecção por SARS-CoV-2 começa a diminuir após as doses iniciais de vacinas e, em associação com a prevalência da variante delta, estamos começando a ver evidências de uma redução na proteção contra leve e doença moderada ”, indicou. 

Os primeiros a receber a terceira injeção serão as pessoas que foram vacinadas pela primeira vez nos EUA, ou seja, profissionais de saúde e idosos que moram em asilos. 

As autoridades dos EUA também previram que aqueles que receberam a vacina Johnson & Johnson (J&J), que é uma dose única, podem precisar receber uma dose adicional. 

Nesse sentido, eles detalharam que o soro J&J não começou a ser administrado nos EUA até março de 2021 (o da Pfizer foi o primeiro a receber a aprovação e começou a ser administrado em dezembro) e estão aguardando o recebimento mais dados sobre esta vacina na próxima semana para decidir se uma dose adicional é necessária. 

Existem atualmente três vacinas licenciadas para uso emergencial nos EUA: as da Pfizer e Moderna, que exigem duas doses, e a dose única da J&J. 

Os da Pfizer e Moderna usam tecnologia de RNA mensageiro, que é uma espécie de código que a vacina entrega às células. Este código serve como um manual de instruções para o sistema imunológico da pessoa vacinada aprender a reconhecer o coronavírus e atacá-lo. 

Os soros como o de J&J usam um adenovírus, que é um vírus “inativado” que envia instruções ao corpo da pessoa vacinada para combater o COVID-19. 

Os casos de covid-19 detectados em todo o mundo aumentaram 4,4 milhões na última semana incluída no relatório epidemiológico publicado pela “Organização Mundial da Saúde” (OMS), o que indica que os continentes da América e da Europa foram ambos com a maior taxa de incidência, 147,4 e 121,6 casos novos por 100.000 habitantes, respectivamente. 

O número acumulado de infecções por coronavírus ultrapassa 207,7 milhões em 20 meses de pandemia.