EUA preveem plano de vacinação contra a Covid-19 em novembro

 O plano de vacinação nos EUA deve iniciar em novembro, segundo o CDC.

O Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC) enviou plano inicial de vacinação contra a Covid-19 para 50 estados americanos. O início da campanha de imunização deve iniciar em novembro, com uma aplicação mais massiva em 2021. O clima é expectativas na população americana

 

Da Redação

Os EUA avançam no plano de vacinação contra Covid-19 e prevê as primeiras doses em novembro. O Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC) enviou um plano inicial de vacinação contra a Covid-19 para os 50 estados americanos, cinco grandes cidades e autoridades de saúde. Os documentos preveem o início da campanha de imunização em novembro, com uma aplicação mais massiva em 2021.

“Doses limitadas da vacina da Covid-19 podem estar disponíveis no início de novembro de 2020, mas o fornecimento da vacina aumentará substancialmente em 2021”, de acordo com o CDC. As vacinas contra a Covid deverão ser aprovadas e licenciadas de forma emergencial pela “Food and Drug Administration (FDA)”, outro órgão regulador americano com um papel similar ao da “Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa)” do Brasil.

Donald Trump otimista – No início de agosto, o presidente Donald Trump disse que era possível a liberação de uma vacina contra o coronavírus antes das eleições em novembro, previsão muito mais otimista do que o cronograma que estava sendo apresentado pelos próprios especialistas em saúde da Casa Branca.

Questionado durante entrevista sobre quando uma vacina poderia estar pronta, Trump disse: “Antes do final do ano, pode ser muito mais cedo.”

Em contrapartida, o CDC não detalhou qual deve ser o fornecedor das primeiras doses. Segundo o mais recente balanço da “Organização Mundial da Saúde (OMS)”, cerca de 176 pesquisas estão em desenvolvimento e ao menos 33 delas já foram registradas em fase clínica, que é a etapa de teste em humanos.

Os EUA têm duas principais vacinas em desenvolvimento. Uma delas é a do laboratório americano “Pfizer” e da empresa alemã “Biontech”. Eles anunciaram em julho que os EUA concordaram em pagar US$ 1,95 bilhão para garantir 100 milhões de doses. O número reservado se refere a todo o potencial de fabricação das empresas em 2020. O objetivo de ambos os laboratórios é “fabricar cem milhões de doses antes do fim de 2020” e provavelmente mais de 1,3 bilhão antes do fim de 2021.

Além da vacina da “Pfizer/Biontech”, o governo dos EUA aposta no projeto de vacina da “Moderna”, no qual colocou quase meio bilhão de dólares. A candidata da “Moderna” foi batizada de “mRNA-1273”. Assim como a concorrente da “Pfizer”, está na última fase de testes e também pertence à categoria das vacinas que usam o material genético do próprio vírus (mRNA) para estimular a defesa do corpo.