EUA dobram compra de pílulas Pfizer para tratar Covid e reduzir internações

Compra de mais um lote da pílula antiviral conhecida como “Paxlovid” é aposta do governo Biden

Joe Biden reconhece que o aumento de infecções com a variante Ômicron causa estragos no país e alerta que os casos continuarão se propagando nas próximas semanas. O governo anuncia a compra de mais 10 milhões da pílula antiviral da Pfizer – totalizando 20 milhões de comprimidos

Da Redação

O presidente Joe Biden, ordenou nesta terça-feira que seu governo dobrasse o pedido dos comprimidos contra Covid-19 fabricados pela Pfizer, dado o forte aumento de infecções no país com a disseminação da variante Ômicron. Em reunião com sua equipe, Biden anunciou que decidiu aumentar para 20 milhões o número de tratamentos da pílula antiviral, conhecida como “Paxlovid”, encomendada pelo seu governo e para a qual ele inicialmente anunciou uma compra de 10 milhões.

“Já tínhamos feito o maior pedido desses tablets do mundo e agora vou dobrar esse pedido”, disse Biden, que garantiu que os EUA podem “precisar ainda mais” do que esses 20 milhões de unidades.

A pílula da Pfizer, autorizada em dezembro nos EUA, é o primeiro tratamento oral contra o coronavírus que os americanos poderão tomar em casa, e Biden espera que eles permitam “reduzir drasticamente o número de hospitalizações e mortes por Covid-19” em ou país.

As primeiras pílulas contra a Covid começaram a ser distribuídas no país no final de dezembro, e a Casa Branca espera que até junho os 20 milhões de tratamentos que foram pedidos tenham sido distribuídos.

Biden esclareceu, porém, que “leva meses, literalmente, para fazer um comprimido” dos da Pfizer devido à “complexidade química” dos comprimidos, o que explica o atraso na entrega aos americanos.

O presidente reconheceu que o aumento de infecções, relacionado em parte à expansão da variante Ômicron, está causando estragos no país e alertou que os casos continuarão aumentando nas próximas semanas.

Ele reconheceu que está “frustrado” com as longas filas de pessoas esperando para serem testadas para Covid-19, e lembrou que seu governo encomendou 500 milhões de testes que serão distribuídos em casa, embora só comecem a ser distribuídos no final deste mês, conforme especificado posteriormente pela porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki.