EUA compram 500 milhões de vacinas da Pfizer para doar a países em dificuldades

Joe Biden embarca para o Reino Unido onde anunciará a compra de vacinas na Cúpula do G7

 

São 500 milhões de vacinas da Pfizer contra a Covid-19 para doação a todo o mundo. Neste primeiro momento, à América Latina e Caribe receberão o suficiente para imunizar 3 milhões de pessoas –a região tem mais de 438 milhões de habitantes.  Brasil, Índia e México estão fora da lista de países beneficiados

 

Da Redação

EUA compram 500 milhões de vacinas da Pfizer contra a Covid-19 para doação a todo o mundo, em um esforço para se tornar um vetor central na vacinação de outras nações, disse uma fonte familiarizada com o assunto, em matéria publicada nesta quarta pelo jornal “The Washington Post”. O presidente Joe Biden anunciará a notícia esta semana na Cúpula do G7, na Cornualha, no Reino Unido.

Segundo fontes ligadas à Casa Branca, cerca de 200 milhões de doses serão distribuídas em 2021 e 300 milhões serão distribuídas no primeiro semestre de 2022. O principal conselheiro de Biden para assuntos relacionados à Covid-19, Jeff Zients, tem trabalhado no acordo ao longo do último mês, disse uma pessoa conhecida.

O plano faz parte dos esforços da gestão democrata para responder às cobranças por ajuda robusta ao programa de imunização de países sem acesso à quantidade necessária de doses

Ao embarcar no avião oficial com destino à Europa, nesta quarta, Biden disse aos repórteres que faria nos próximos dias o anúncio de uma estratégia global de vacinação. E segundo o jornal americano, a Casa Branca e a farmacêutica não comentaram a informação.

Os EUA já tinham prometido compartilhar mais de 20 milhões de doses de vacina até o fim de junho. O número se soma aos 60 milhões de doses do imunizante da AstraZeneca que a Casa Branca já havia se comprometido a distribuir, totalizando 80 milhões de doses a serem enviadas pelos americanos ao exterior.

Na semana passada, a governo detalhou parte do plano e disse que vai enviar, inicialmente, 6 milhões de doses para o Brasil e para outros países da América Latina. O compartilhamento será feito via Covax, iniciativa vinculada à Organização Mundial da Saúde (OMS) para a distribuição de doses a nações em desenvolvimento, e ainda não há detalhes oficiais sobre o número de imunizantes que o Brasil vai receber.

Como as vacinas doadas exigem duas doses, o total que chegará neste primeiro momento à América Latina e Caribe será suficiente para imunizar 3 milhões de pessoas –a região tem mais de 438 milhões de habitantes.

Apesar da situação grave da pandemia no Brasil, o país não entrou na lista dos que vão receber imunizantes por distribuição direta bilateral, caso da Índia e do México.