Estudo comprova que vacina contra Covid em crianças não causa inflamação rara

Estudo de especialistas em doenças infecciosas infantis descarta inflamação rara em crianças vacinadas

Com análise especialista em doenças infecciosas pediátricas da Universidade Vanderbilt  divulgada na terça-feira, fica comprovado que a vacina contra Covid-19 em crianças não causa a doença formalmente conhecida como síndrome inflamatória multissistêmica

Da Redação

É improvável que as vacinas contra Covid-19 causem uma doença inflamatória rara ligada à infecção por coronavírus em crianças, de acordo com uma análise de dados do governo dos EUA divulgada na terça-feira.

______continua após a publicidade_______

seguro

A doença formalmente conhecida como síndrome inflamatória multissistêmica em crianças, causa febre e sintomas que afetam pelo menos dois órgãos e geralmente incluem dor de estômago, erupção cutânea ou olhos vermelhos. É uma complicação incomum em crianças que contraíram Covid-19 e raramente afeta adultos. A condição geralmente leva à hospitalização, mas a maioria dos pacientes se recupera.

Desde fevereiro de 2020, mais de 6.800 casos foram relatados nos EUA, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC).

 Como parte do monitoramento da segurança da vacina Covid-19, o CDC e a “Food and Drug Administration (FDA)” incluíram a condição em uma lista de possíveis complicações de preocupação especial. Alguns casos relatados em pessoas sem evidências detectáveis ​​de infecção por coronavírus levaram pesquisadores do CDC e de outros lugares a realizar a nova análise.

A possibilidade de que as vacinas possam de alguma forma causar a doença é apenas teórica, e a revisão não encontrou evidências para isso, disse o coautor do estudo, Dr. Buddy Creech, especialista em doenças infecciosas pediátricas da Universidade Vanderbilt, que dirige um estudo sobre o efeito sobre filhos das vacinas contra a Covid-19 desenvolvidas pela Moderna.

“Não sabemos qual é a contribuição exata da vacina para essas doenças”, disse Creech. “A vacina sozinha, na ausência de uma infecção anterior, não parece ser um gatilho substancial”, acrescentou.

Os resultados mostram que a doença inflamatória pode ocorrer após a vacinação em uma em um milhão de crianças que contraíram Covid e em uma em cada 3 milhões que não têm evidências detectáveis ​​​​de uma infecção anterior por coronavírus.



____________________publicidade___________________

seguro

anuncie