Encontro da Mídia brasileira de Orlando reúne veículos locais

Encontro da Mídia brasileira de Orlando reúne veículos locais

O grupo Mídia Orlando muda para Mídia América e promete integrar ainda mais os veículos brasileiros em todo o continente

Edição de setembro/2018 – p. 12

Era a terceira edição do encontro anual da Mídia brasileira de Orlando. A festa, que já é esperada pelos vários membros de diferentes veículos locais, tem o objetivo de integrar os jornalistas, publicitários, profissionais de marketing, youtubers, empresários e fotógrafos que comunicam sobre e para a comunidade brasileira residente principalmente na Flórida Central. O grupo, que começou com 5 apoiadores, hoje já reúne mais de 100 veículos de diferentes mídias e já é considerado uma rede de contatos importantíssima para o mercado local. “Este tipo de integração é fundamental para que a gente possa se conectar com os diferentes veículos e comunicadores que têm a comunidade brasileira como foco. A gente pode conversar, trocar ideias, rever gente que só encontramos nesse evento e até mesmo fazer uma avaliação coletiva sobre os caminhos que o mercado da comunicação vem tomando, a nível local e a nível global mesmo”, conta Paulo de Souza, diretor do Jornal Nossa Gente, que é um dos mais tradicionais jornais da região. Paulo mencionou ainda a importância de conhecer o que há de novidade no mercado. “A gente acaba ficando tão focado no cotidiano do trabalho que acaba não se atentando para o que e para quem surge no mercado com o passar dos anos. Então eventos como este acabam sendo fundamentais para nos mantermos atualizados”, reforça o empresário.

À esquerda, Márcio Silva e Paulo de Souza, diretores no Nossa Gente, com Vanessa Caetano (Foto: Paula Gimenes)

E quando o assunto é novidade, o encontro da Mídia de Orlando entende bem. A cada ano, a quantidade de profissionais que prestigiam o evento cresce cada vez mais, reunindo nuances de comunicadores de vários lugares dos Estados Unidos e até mesmo do Brasil. Marina Miralha é repórter nacional da Rede Record e marcou presença na festa. “Orlando tem uma comunidade brasileira muito forte e isso é encantador. Ver a nossa gente aqui, falando nossa língua, é sem dúvida algo interessantíssimo de se ver e certamente reunir os diferentes comunicadores e veículos de comunicação locais é uma decisão muito acertada. Estes esforços juntos sem dúvida vão entregar à comunidade materiais cada vez melhores e ao passo que o mercado que tem a comunidade brasileira como target também será fomentado”, avalia a jornalista que passava férias em Miami e aproveitou para comparecer ao encontro.

A jornalista Marina Miralha esteve no encontro (Foto: Paula Gimenes)

Convergência digital também foi um ponto alto do encontro. Produtores de conteúdo para plataformas como Youtube estão cada vez mais populares e representam uma porção considerável da audiência da comunidade brasileira, que tem consumido cada vez mais produções alternativas que mostram a realidade, dão dicas e compartilham ideias nos mais diferentes formatos. “Quando eu vim para os Estados Unidos, eu não tinha tanta informação. A gente tem uma visão geral, baseada no que a gente vê na TV e revistas principalmente, mas nada assim muito específico como lugares onde morar, lojas, escolas, clima e etc. Então foi isso que eu pensei quando criei meu canal no Youtube e tem sido muito legal ver que o conteúdo que eu produzo tem gerado um bom engajamento, não só de quem está pensando em vir para os Estados Unidos, mas também quem está aqui e acaba tendo alguma dúvida ou que acaba compartilhando da mesma ideia. É bem legal ver isso acontecendo porque eu acredito que seja um momento ímpar na comunicação”, declara Augusto Ricardo, que tem um canal no Youtube com seu nome e onde retrata questões ligadas ao cotidiano no país estrangeiro.

De Mídia Orlando a Mídia América

Vanessa Caetano é a organizadora e pioneira do encontro. (Foto: Jaqueline DeAndrade)

O grupo de interação e troca de conteúdo começou em 2016 e desde então tem promovido uma relação cada vez mais estreita entre profissionais da comunicação da região da Flórida Central. Mas com o passar dos anos e a crescente demanda por informações relacionadas à comunidade brasileira e de conteúdo em português, os limites geográficos foram se expandindo a tal ponto que a rede de contatos alcançou outras regiões dos Estados Unidos, da América Central e América do Sul. “A gente acaba criando uma relação de cooperação com colegas de outros estados aqui nos EUA, tipo em Nova Iorque, Califórnia, Boston, Geórgia, então com isso a gente se ajuda e quem ganha é a comunidade brasileira que acaba tendo acesso a um material ainda mais amplo”, explica Vanessa Caetano, que é a organizadora do encontro.

Por conta dessa significativa ampliação, o encontro deste ano também teve um marco importante para os integrantes dessa rede de troca de informações. É que a partir de agora o Mídia Orlando deu um passo mais largo e tornou-se Mídia América. “A expectativa é ampliar a network entre os diferentes veículos, de diferentes localidades, que se relacionam com a comunidade brasileira. O objetivo é justamente reduzir as distâncias geográficas através desse contato e promover uma relação ainda mais harmônica entre esses comunicadores para que possamos interagir, trocar informações e produzir conteúdo cada vez melhores para entregar para a nossa comunidade”, explicou Vanessa Caetano.

Anica Beara apresentou o evento (Foto: Paula Gimenes)

“A gente vive cada vez mais no mundo da globalização e a informação é fundamental para você conectar as pessoas e garantir que elas saibam exatamente o que está acontecendo ali, na hora, no local. E a gente tem essa possibilidade e todas as ferramentas hoje que nos auxiliam isso. E esse crescimento de Mídia Orlando para Mídia América mostra exatamente a evolução do nosso tempo, que começou com um grupo pequeno e hoje já reúne mais de 100 veículos diferentes mostra realmente o quanto o ambiente da comunicação está em expansão constante. As pessoas estão conectadas e estão conectando as outras pessoas. Isso é muito legal porque todo mundo acaba sabendo do que está acontecendo”, relata Anica Beara, jornalista.