voltar

SET/12 – pág. 60

A capacidade de utilizar a sintonia fina é o grande privilégio que nos permite navegar a possibilidade da perfeita conexão com que foi brindado o ser humano. Obviamente, o meio utilizado para atingir esse estado especial é a dedicação de completa atenção ao que nos rodeia.

Para começar, prestar atenção é tarefa que exige uma enormidade de nós, seres circulantes em universos cheios de distrações e “dis-atenção”. Qual seria o sentido utilizado para atingirmos o objetivo desejado – a possibilidade de dedicação de atenção completa, enquanto lidamos com as fascinantes distrações que nos cercam?

O sentido, ou ferramenta, escolhido para ingressar no mundo deslumbrante da sintonia fina deverá disponibilizar o desenvolvimento da necessária atenção, indispensável à obtenção do desejado resultado – a compreensão interativa do mundo a nossa volta, bem como o impacto dessa interação em nossa própria vida.

No início, a prática da atenção completa para a aquisição da sintonia fina funciona da mesma maneira que qualquer outro treinamento por que passamos. Antes de nos tornarmos experientes em qualquer setor, ficamos assustados com o desafio. Cometemos erros, ficamos desestimulados e achamos que nunca iremos conseguir acertar.

Pior ainda, no início da prática de qualquer novo desafio, muitas vezes, pensamos em desistir, achando que, na verdade, aquilo não tem nada a ver conosco, que não precisamos aprender algo que, no fim, não servirá para nada. Essa atitude, bastante comum, é nada mais que nosso instinto de autoproteção tentando evitar a mágoa da decepção.

Quando começamos a praticar a atenção, com maior facilidade nos esquecemos de nosso objetivo no momento em que qualquer distração venha ocupar a nossa mente. Logo esquecemos o objetivo e deixamos que o novo interesse ocupe o vácuo deixado pelo abandono do esforço da concentração.

Se isso acontece, estamos diante de um momento decisivo, que pode renovar nosso interesse em viver a vida de uma nova forma. A partir daí, se tivermos sérias intenções de desenvolver a sintonia fina, podemos usar o momento para parar, observar o desvio da atenção e procurar trazê-la de volta para onde queremos.

Como em qualquer outro aprendizado/treinamento em que nos empenhamos, a repetição irá trazer a maestria e, ao nos aprofundarmos na dedicação ao controle da sintonia fina, aperfeiçoamos a capacidade inata que todos têm de compreender o caminho miraculoso da vida.

O universo, que esteve escondido de nós ao longo do tempo, aproxima-se e exibe um panorama de clareza nunca sonhado. Aqueles que já ouviram falar sobre o “Véu de Ísis” vão perceber o sentido do termo “Ísis sem Véu”, que pode trazer revelações antes consideradas secretas.

Ao aperfeiçoar a sintonia, nossa relação com o Universo estreita-se, a vida, como um todo, simplifica-se, a compreensão expande-se e a experiência torna-se exponencialmente melhor.

Ao nos aprofundarmos um pouco mais nas mudanças interiores, podemos perceber o significado profundo da experiência terrena. À medida que vemos a vida se descortinar, percebemos tudo com mais clareza e podemos observar diante de nós os passos que virão a seguir, antes que eles comecem a se formar.

(continua no próximo artigo)