Em discurso, Obama promete agir sem aval do Congresso

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, pediu que o Congresso eleve o salário mínimo, amplie as oportunidades de ascensão social e fortaleça a classe média.

Os apelos foram feitos durante o mais importante discurso anual do presidente, na noite de terça-feira (29), e em um momento em que Obama enfrenta um dos índices mais baixos de aprovação, além de eleições legislativas marcadas para novembro.
Obama disse ainda que está preparado para agir de maneira mais agressiva caso o Congresso continue obstruindo suas propostas. “A América não vai ficar parada. E eu também não”.

No último ano, quase todas as iniciativas levadas por Obama ao Congresso fracassaram, principalmente devido à oposição republicana.

“Hoje, depois de quatro anos de crescimento econômico, os lucros empresariais e os preços das ações raramente estiveram mais altos e aqueles no topo nunca estiveram tão bem. Mas a média dos salários mal se moveu. A desigualdade se aprofundou. A mobilidade social se estancou”, criticou.

Anteriormente, em uma sessão conjunta da Câmara e do Senado, Obama havia dito que usaria decretos presidenciais para elevar o salário mínimo aos empregados de empresas que prestam serviços ao governo federal, passando de US$ 7,25 para US$ 10,10 a remuneração por hora dos que fossem contratados a partir de agora.

Além disso, Obama ainda reforçou a necessidade de fechar a prisão norte-americana de Guantánamo, localizada em Cuba. O encerramento do cárcere é uma de suas promessas de campanha. “Nós combatemos o terrorismo não apenas por meio de inteligência e ação militar, mas nos mantendo fiéis aos nossos ideais constitucionais e dando um exemplo para o restante do mundo”.

Fonte: dci.com.br (Agência Ansa)