“Diário de Um Confinado” retrata humor neurótico de um solteirão na pandemia

Bruno Mazzeo na pele de um solteirão que teme ser contaminado em tempos de pandemia

 

Disponível no Globo Play, “Diário de Um Confinado” fala da neurose de Murilo, interpretado por Bruno Mazzeo, trancado em seu apartamento, em plena pandemia. Ele tem pavor de ser contaminado pela Covid-19 e cria situações hilárias

 

Da Redação 

“Diário de Um Confinado”, que traz o ator Bruno Mazzeo como protagonista, é uma divertida série de seis episódios, disponível no Globo Play, retratando com muito humor  as neuras e dilema de Murilo, um rapaz solteiro, que mora sozinho em um apartamento, enfrentando dificuldades em dias de quarentena. Escrita por Mazzeo, com direção de Joana Jabace, a história envolve a mãe do rapaz, interpretada por Renata Sorrah, que o deixa neurótico, na tentativa blinda-lo da Covid-19.

Nos primeiros episódios, “Diário de Um Confinado” promete muito pela criatividade e o elenco de apoio, contribuindo para cenas hilárias, inclusive, quando a mãe de Murilo entra em pânico ao saber que o filho, que encomenda uma pizza, acaba tocando a caixa de embalagem. Ela grita desesperada, temendo que Murilo seja contaminado. A partir daí, muita confusão. Destaque também para as participações de Fernanda Torres, como Leonor, e Débora Bloch, a vizinha.

Diretora Joana Jabace, e Mazzeo. Segundo Bruno Mazzeo, o “Diário…” surgiu como contribuição ao humor em tempos de pandemia, e tudo ocorreu rapidamente. E por que não transformar a própria experiência em material criativo? Entre o click inicial e a chegada ao Globo Play, foi cerca de um mês e meio para que o projeto fosse viabilizado.

 

“Foi tudo feito na segurança, dentro de casa. A emissora aprovou, enviou uma câmera muito prática, a F7. Gravamos em casa mesmo, buscando dar um testemunho sobre esse momento tão difícil e, ao mesmo tempo, exercitando a criatividade para nos mantermos ativos, enfrentando os desafios e restrições do momento”, complementa o ator.

Para a diretora Joana Jabace, esposa de Bruno Mazzeo, o processo foi muito criativo. “Moramos num apartamento amplo, mas criamos, na nossa sala, o que seria o do Murilo. Um cara solteiro, que vive sozinho, bem diferente de nós, que temos os gêmeos. A princípio, pensamos que teríamos de gravar de madrugada, depois que eles dormissem, mas logo o trabalho se integrou à rotina. Havia a preocupação de gravar e resguardar tudo, garantir a continuidade. Mas o acaso terminou ajudando. Um dia, brincando no set, os meninos deixaram o patinho deles, que terminou incorporado ao personagem. Murilo, nesse período tão estranho, dorme abraçado ao seu patinho”, reforça Joana.

Na vida real, relata Bruno Mazzeo, a atriz Débora Bloch é sua vizinha, então o ator e escritor decidiu incluí-la nos episódios, evidente, como a vizinha de seu personagem, o Murilo. “A Débora é nossa vizinha, a gente interage muito. Em plena pandemia, a troca continua, mas agora com todos esses protocolos que nos unem à distância. Era muito natural que ela virasse personagem”, finaliza Bruno.