DeSantis reforça o direito dos pais e critica pressão de Biden; máscara nas escolas é polêmico 

Ron DeSantis faz discurso contundente e reforça apoio aos pais; critica pressão do governo Biden

 

O governador Ron DeSantis declarou sua intenção de “fortalecer” os direitos dos pais quando se trata de lidar com as escolas públicas. O uso de máscara em escolas públicas continua polêmico na Flórida. Segue o embate entre os pais que defendem a liberdade de decidir sobre os filhos, e o Conselho Escolar que fala em “terrorismo doméstico”

 

Da Redação

Apesar da polêmica discussão quanto ao uso de máscara em escolas públicas – incluindo os pais que apoiam a liberdade dessa decisão –, o governador Ron DeSantis declarou na quarta-feira sua intenção de “fortalecer” os direitos dos pais quando se trata de lidar com as escolas públicas. Foi contundente em seu discurso, cercado por pais selecionados, legisladores e policiais, ao criticar o plano do governo de Joe Biden, de fazer com que as autoridades federais revisassem as ameaças feitas contra os membros do Conselho Escolar – professores e outros funcionários de escolas.

DeSantis enquadra a questão como uma tentativa federal de restringir os direitos dos pais, de intimida-los a não falar sobre questões polêmicas nas reuniões do Conselho.

A “Associação Nacional de Conselhos Escolares” enviou uma carta a Biden levantando preocupações sobre os comitês de alvos de “terrorismo doméstico”. Embora a associação não tenha mencionado os pais e o Departamento de Justiça não tenha pedido investigações, DeSantis revidou: “À medida que continuamos a ver o uso do medo e da intimidação para suprimir a oposição ao regime, vamos encontrar novas maneiras de fortalecer os direitos dos pais de decidir o que é melhor para seus filhos”, enfatizou.

Seus comentários levantaram sobrancelhas entre muitos funcionários do Distrito Escolar, que disseram concordar com o apoio do governador à participação pública na governança escolar.

“Não acho que seja necessário que o governador diga isso”, disse a presidente do “Conselho Escolar do condado de Pinellas”, Carol Cook, referindo-se à promessa do governador de proteger os direitos dos pais.

Algumas sessões do Conselho na Flórida ficaram acaloradas nos últimos meses por causa de questões como máscaras obrigatórias e o uso de corrida nas aulas de história. O Conselho Escolar do Condado de Brevard recentemente removeu o público de sua reunião, sobre o uso de máscaras, dizendo que o público havia se tornado perturbador.

Carol Cook ajudou a redigir uma carta recente em nome da “Florida School Boards Association” que contestava as tentativas da organização nacional de envolver o governo federal em conversas locais sobre questões escolares contenciosas.

O Conselho da Pinellas regularmente estende o tempo para que o público fale sobre os itens da agenda e sobre questões gerais durante uma parte da reunião, após a conclusão das ações oficiais. O Conselho esta semana decidiu parar de transmitir ao vivo a seção de participação, embora ainda tenha esse tempo disponível.

A presidente do Conselho Escolar do condado de Hillsborough, Lynn Gray, apresentou a carta e a resolução da “Associação Estadual” a seus colegas, e eles também apoiaram as declarações. Gray observou que o Conselho ficou sentado por horas ouvindo os residentes falarem sobre máscaras, escolas charter e uma série de outras preocupações.

A diretora executiva da “Florida School Boards Association”, Andrea Messina, disse que a resposta foi semelhante em todo o estado. Alguns conselhos locais estão ajustando o momento em que aceitam comentários públicos, ela reconheceu, observando o desejo de equilibrar o trabalho distrital necessário com a necessidade de ouvir os membros da comunidade. “Eles também estão limitando as ameaças e perseguições reais, que alguns membros do conselho já sofreram”,  acrescentou Messina.

Mas “não há disputa. Os membros do conselho não se opõem a que os pais tenham opiniões sobre a educação dos filhos”, disse ela.