Dependência do Google prejudica ‘memória offline’, diz pesquisa

Dependência do Google prejudica ‘memória offline’, diz pesquisa

Estudo provou que alguns enxergam o Google como uma extensão da própria inteligência (Foto: Daily Mail)
Estudo provou que alguns enxergam o Google como uma extensão da própria inteligência (Foto: Daily Mail)

Um experimento da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, revelou que o uso constante de ferramentas de busca, como o Google.com e outros, está deixando os jovens mais esquecidos. Segundo especialistas, a tecnologia deixou as pessoas dependentes demais, tornando-as mais propensas a não lembrar de informações que podem ser encontradas a um clique de distância. Sendo assim, guardar na nuvem significa esquecer na “memória offline”.

Os testes realizados pela universidade comprovaram que as pessoas envolvidas no estudo tinham uma tendência maior a se lembrar de informações que sabiam terem sido apagadas de um computador. Na situação inversa, com dados que estavam armazenados, o nível de esquecimento foi maior, por mais que os pesquisadores afirmassem que era importante que os envolvidos não esquecessem tais dados. Informações geográficas (como locais de eventos) e datas (de aniversário e outras) estavam entre os dados utilizados no estudo.

A pesquisa vai além e afirma que, para muitos, o Google.com acabou se tornando uma extensão da própria inteligência. Por mais que os jovens envolvidos esquecessem as informações passadas para eles – de forma ainda mais presente que em pessoas mais velhas, por exemplo – os jovens envolvidos no estudo ainda se consideravam mais espertos por saberem utilizar tais ferramentas e as terem como parte integrante do processo de cognição.

O estudo também revelou uma propensão menor a compartilhar informações. Em vez de contar com a ajuda da memória dos amigos, por exemplo, os envolvidos no estudo preferiram armazenar os dados em meios digitais. Na visão deles, é mais confiável e à prova de falhas.

O estudo foi feito pelos psicólogos Daniel Wegner e Adrian Ward que escreveram ao jornal Scientific American com as conclusões da pesquisa para um projeto da Harvard University.

Fonte: techtudo.com.br