Cuidados gerais para o verão

Cuidados gerais para o verão

voltar

JUN/2016 – pág. 36

sua_saude_elaine

  • Sempre use filtro solar nas áreas mais expostas (principalmente rosto, nuca, orelhas, mãos e demais áreas expostas), diariamente. O ideal é aplicar 30 minutos antes da exposição (para aumentar o poder de penetração) e reaplicar a cada duas horas. Existe ainda o fator “Eu sei o que vocês fizeram no verão passado”. O efeito do raio ultravioleta é cumulativo. Eles penetram no núcleo da célula e causam uma mutação que fica registrada no DNA. No futuro, o acúmulo de mutações pode gerar uma célula cancerígena. Ou seja: ter uma queimadura forte, com bolha ou vermelhidão, durante a infância ou até os 20 anos, é o suficiente para entrar no grupo de risco.
  • Estamos em época de ALERTA para doenças transmitidas por insetos, portanto, recomendamos o uso de repelentes (aqueles liberados pelo FDA) para proteger-se dos mosquitos e das doenças que eles transmitem.
  • Lavar sempre as mãos e usar álcool gel. Lembre-se de que os vírus e bactérias estão em todos os lugares.
  • Evite ficar exposto ao sol, procure caminhar pela sombra. Boa ideia é incluir um chapéu ou boné no figurino.
  • Prefira alimentação leve: frutas suculentas e saladas. Coma mais vezes e quantidades menores e, como sobremesa (é claro!), um sorvetinho para refrescar.
  • Mantenha-se hidratado: beba bastante líquido a toda hora. Tome água antes de sair para as atividades. Não espere a sede reclamar. Beba de dois a três litros. Verifique a coloração da urina, escura é sinal que deve tomar mais líquido.
  • Evite bebidas com cafeína ou com muito açúcar. Eles vão fazer com que se perca ainda mais líquido corporal.
  • Facilite a transpiração: use roupas folgadas, tecidos leves, claras e arejadas.
  • Não se esqueça dos óculos escuros com proteção ultravioleta total para evitar queimaduras da córnea e da retina, que causam lesões irreversíveis.
  • Para se refrescar nos momentos mais críticos procure, se puder, um ambiente com ar-condicionado. Mesmo que não permaneça no local por muito tempo, essa providência ajudará a manter o corpo mais fresco quando tiver que retornar para o calor.
  • De acordo com as possibilidades, lave rosto, nuca, braços e mãos ou tome banhos frios no verão.
  • Faça frequentes paradas durante as atividades físicas.
  • Evite períodos prolongados com roupas úmidas.
  • Durma em ambiente tranquilo e evite a ingestão de refrigerantes e comidas pesadas antes de dormir.

Insolação

A insolação acontece quando o organismo fica incapacitado de controlar a temperatura. Quando a pessoa tem insolação, a temperatura corporal aumenta rapidamente, o mecanismo de transpiração falha e o corpo não consegue resfriar-se. A temperatura corporal de uma pessoa com insolação pode subir até 41 graus, ou mais, em 10 a 15 minutos. Insolação pode causar graves consequências se o tratamento de emergência não for providenciado.

Sinais de insolação

Os sinais de alerta de insolação variam, mas podem incluir: temperatura corporal muito alta (acima de 39,5 graus); pele vermelha, quente e seca (sem suor); pulsação rápida e forte; dor de cabeça latejante; tontura; náusea; falta de ar; fraqueza; irritação; pele seca e vermelha e até inconsciência.

O que se deve fazer ao notar alguém com sinais de insolação:

  • leve-a para um lugar com sombra;
  • resfrie a vítima rapidamente, por meio de qualquer método disponível, por exemplo, água fria ou gelo;
  • cubra o corpo com toalhas úmidas ou, se possível, dê um banho frio;
  • permaneça próximo a ventiladores e ambientes com ar-condicionado e continue seus esforços para resfriá-la;
  • procure ajuda médica.

Desidratação

A desidratação é um estado patológico do organismo, causado pelo baixo nível de líquido (água, sais minerais e orgânicos) no corpo. Ela é uma doença considerada grave, pois milhares de crianças morrem vítimas dela todos os anos. No entanto, é uma doença de fácil prevenção e tratável quando diagnosticada logo. Baixos níveis de água no organismo ativam uma região do cérebro que provoca a sensação de sede. Quando o líquido perdido não é reposto, os níveis de sódio na corrente sanguínea aumentam, e outras complicações surgem. Em condições normais, a água é eliminada do organismo através do suor, urina, fezes e lágrimas. A desidratação pode ocorrer quando há excesso de calor (sem reposição suficiente da água eliminada pelo corpo).

Dentre as causas de perda excessiva de líquido, a mais comum é a diarreia. No verão, as chances de ter uma diarreia aumentam, pois os vírus causadores dessa doença tendem a se multiplicar, tanto no ambiente quanto nos alimentos expostos ao calor. Vômitos também são responsáveis por grande parte dos casos de desidratação. A exposição excessiva ao sol e o excesso de roupas aumentam a eliminação de água pelo organismo através do suor e podem levar à desidratação. Os sintomas da desidratação são os seguintes: pele seca e inflexível, olhos fundos, boca seca, pouca urina e/ou urina amarela escura, coração acelerado (taquicardia) e irritabilidade.

Existem três níveis de desidratação:

  • leve – quando o único sintoma é a sede;
  • mediana – pele seca e inflexível, taquicardia, diminuição do peso, aumento da temperatura corporal;
  • grave – além dos sintomas acima citados, queda da pressão arterial, sensação de perda de consciência eminente, estupor, hipertermia, convulsões e choque.

O tratamento depende do nível de desidratação no qual a pessoa se encontra, portanto, procure ajuda médica. As medidas preventivas são simples: cuidado com exposição direta ao sol e beba água várias vezes ao dia.

Aproveite o verão!


Elaine Peleje Vac
elaine@nossagente.net
(Médica no Brasil)
Não tome nenhum medicamento sem prescrição médica.
Consulte sempre o seu médico.