Covid e influenza afetam tripulantes de companhias aéreas brasileiras; voos em atraso

Horas exaustivas à espera do próximo voo deixam passageiros entediados com atrasos e cancelamentos

Passageiros com destino aos EUA já sentem o impacto dos casos de Covid e influenza, que afetam as tripulações das companhias aéreas brasileiras, provocando atrasos e cancelamentos de voos. Segundo a “Agência Nacional de Transporte Aéreo (Anac)” as empresas enfrentam momentos desafiadores

Da Redação

______continua após a publicidade_______

retaxes

O aumento de casos de Covid e influenza – além da propagação da variante Ômicron –, começa a afetar as companhias aéreas brasileiras – Azul, Gol e Latam –, que realizam voos internacionais, segundo dados da “Agência Nacional de Transporte Aéreo” (Anac). O panorama de incertezas, com tripulações contaminadas, afeta a rota de voos, impactando os passageiros, principalmente para os EUA, deixando os clientes em alerta.

Em comunicado, o CEO da Azul, John Rogers, disse que, “nos últimos dias, começamos a ser afetados por um alto número de dispensas médicas, tanto no grupo de voo quanto em nossos times de solo. Por conta disso, os próximos dias serão mais desafiadores para nossa operação como um todo e já começamos a realizar alguns ajustes para enfrentar essa situação.”

“As dispensas”, segue o comunicado, “ocorrem diante da necessidade de isolamento de tripulantes com síndromes gripais como Covid-19, em meio ao avanço da variante Ômicron, e do vírus H3N2 da influenza.”

O presidente da Azul pede ainda para que os funcionários sigam se vacinando e tomando medidas de proteção, como uso de máscaras e protocolos de higiene.

Já a Gol, através do texto assinado por Maria Rita de Cássia Micheletto, gerente de tripulação comercial, informou aos comissários de bordo a necessidade de medidas de proteção contra o vírus da influenza e Covid-19. “Precisamos muito fazer a nossa parte tomando todas as medidas necessárias para nos proteger.”

Por sua vez, até o momento a Latam não expediu comunicado. Entretanto, o avanço da variante Ômicron em meio à necessidade de isolar tripulantes potencialmente infectados levou a milhares de atrasos e cancelamentos, a maioria deles em aeroportos dos EUA e da China, entre o Natal e o Ano Novo.

E conforme divulgou o “Jornal Nossa Gente”, mais de 3,6 mil voos foram cancelados em 2 de janeiro, por exemplo, segundo o levantamento do site “FlightAware”. O principal motivo para os cancelamentos foi o alto número de comissários de bordo, pilotos e funcionários em geral das companhias aéreas que não puderam trabalhar por estarem infectados com a Covid-19.



____________________publicidade___________________

seguro

anuncie