Consumo de vegetais crucíferos reduz processo inflamatório

Consumo de vegetais crucíferos reduz processo inflamatório

voltar

SET/14 – pág. 71 e 72

medicina_naturalOs vegetais crucíferos são chamados de alimentos funcionais, ou seja, além de nutrir o organismo previne doenças graças à presença de ingredientes fisiologicamente saudáveis. Pertencem à família das brássicas e são: rúcula, bokchoy, brócolis, couve-de-bruxelas, repolho-verde, couve-flor, couve-chinesa, couve, nabo branco, rabanete, kale, agrião, folha de nabo (turnip), folha de mostarda.

Pesquisa publicada na revista Journal of Academy of Nutrition and Dietetics demonstrou os benefícios do consumo de vegetais crucíferos, devido aos efeitos antiinflamatórios em mulheres saudáveis. Trata-se de um estudo realizado com 1005 mulheres chinesas e idade média de 58 anos. Os pesquisadores avaliaram a ingestão habitual durante os 12 meses anteriores à entrevista, utilizando um questionário de frequência alimentar quantitativo (QFA) validado. Foi dado ênfase ao consumo de cinco vegetais crucíferos comumente consumidos nesta população, incluindo couve-chinesa, repolho-verde, repolho-chinês (napa), couve-flor, nabo e rabanete.

Os pesquisadores observaram que as mulheres com os níveis mais altos no consumo de vegetais crucíferos apresentaram menores concentrações sanguíneas de marcadores inflamatórios. Essa associação inversa entre vegetais crucíferos e citocinas inflamatórias não foi observada com o consumo de vegetais não crucíferos, indicando o papel importante dos vegetais crucíferos na modulação da inflamação.“O aumento no consumo de vegetais crucíferos, incluindo repolho, brócolis, couve, couve-de-bruxelas e couve-flor tem sido recomendado como um componente-chave de uma alimentação saudável para reduzir o risco de doenças crônicas, como câncer e doenças cardiovasculares entre outras.Semelhante a muitos alimentos de origem vegetal, os crucíferos são ricos em vitaminas antioxidantes e fitoquímicos, principalmente os isotiocianatos”, comentam os autores.

“Este estudo sugere que a maior ingestão de vegetais crucíferos está significativamente associada com baixos níveis sanguíneos de marcadores inflamatórios em mulheres. Futuras investigações devem ser realizadas para esclarecer quais os componentes específicos dos vegetais crucíferos são responsáveis pela redução da inflamação sistêmica e seus efeitos na saúde”, concluem.Estudos mostram que os vegetais crucíferos (brócolis, couve-flor, couve-manteiga, repolho, nabo etc.) possuem substâncias chamadas de sulforafano, um poderoso fitonutriente com a capacidade de estimular gene que tem a função anticancerígena.

Os vegetais crucíferos tem também um fitonutriente sulfuroso (ácido indol-3-carbinol) que neutraliza células tumorais sensíveis ao hormônio estrógeno, como os da próstata, da mama e do ovário.Esses vegetais são também ricos em betacaroteno, vitamina C, Vitamina E, B6, ácido fólico cálcio, ferro, magnésio, potássio e fósforo.

Estudos e pesquisas realizados pelos alunos da disciplina Bromatologia em Saúde, oferecida pela Faculdade de Farmácia da UFRJ, demonstraram que o uso de vegetais crucíferos, especialmente o Brócolis,tem sido associado à redução do risco de câncer de mama em mulheres na pré-menopausa (AMBROSONE ET al., 2004), devendo ser consumidos diariamente. Pesquisas recentes reforçam a tese de que o consumo de vegetais crucíferos pode ajudar na prevenção e tratamento de doenças degenerativas. Um estudo com 48 mil homens mostrou que o câncer de bexiga era menor no grupo que consumia mais brócolis, couve-flor e repolho. O consumo de três porções diárias de vegetais como brócolis e repolho pode reduzir, até pela metade, o risco de câncer de próstata, revelou um estudo do Centro de Pesquisas do Câncer Fred Hutchinson, em Seattle, nos Estados Unidos.

medicina_natural2Essas hortaliças possuem alto valor nutricional, sendo boa fonte de vitaminas B, C e K, fibras e ricas em sais minerais (cálcio e fósforo), encontrados nas inflorescências e folhas dessas hortaliças, essenciais para a formação dos ossos e dentes. Diante da importância nutricional atribuída à família das brássicas, o consumo dessas hortaliças poderia ser realizado de forma a fazer parte da dieta como alimento comum, produzindo benefícios à saúde, reduzindo assim o risco de diversas doenças e promovendo a manutenção do bem-estar físico.

A couve-flor é uma hortaliça com características nutracêuticas, contendo elevados teores de vitamina A, betacaroteno, cálcio, fósforo, proteínas e vitamina C, compreendendo 93% de água, sais minerais e vitaminas importantes para o organismo humano. Essa hortaliça é considerada boa fonte de potássio e possui poucas calorias e muita fibra, o que atende aos anseios de uma parcela significativa da população preocupada com a saúde.

Brócolis é uma hortaliça de excelente valor econômico, bem como fonte de vitamina C, importante para o sistema imunológico e absorção do ferro; vitamina A, essencial para visão e reprodução; fibras, necessárias para o bom funcionamento do intestino; cálcio, que participa da mineralização de ossos e dentes, além da regulação da pressão sanguínea; e ácido fólico, importante para a replicação celular e bom funcionamento do sistema nervoso e imunológico. Os carotenoides presentes em grandes quantidades nos brócolis são o betacaroteno, luteína e zeaxantine – poderosos antioxidantes que podem ajudar a prevenir certas doenças relacionadas ao envelhecimento. Esses antioxidantes neutralizam os radicais livres, que causam danos às células saudáveis. Adicionalmente, algumas pesquisas já evidenciaram que o consumo desta hortaliça pode combater vários tipos de câncer. Não se deve comer em excesso para evitar diminuição da função tiroidiana (hipotiroidismo).
Couve é uma planta que apresenta grande diversidade, tendo descrito que o tipo manteiga é um dos 22 tipos encontrados no Brasil. O aporte calórico reduzido da couve, seu baixo teor de glucídios e seu bom efeito de saciedade lhes dão um lugar especial nos regimes de emagrecimento e na alimentação do diabético. O boro, além de ser nutriente dessas plantas, é essencial para o homem e atua no metabolismo de nutrientes e de substratos energéticos, no funcionamento do cérebro e no desempenho psicomotor e cognitivo.

Recomendação para preparação:

O consumo de 3 xícaras de chá diariamente de algunsdesses vegetais. Não se deve cozinhar muito para não perder as substâncias protetoras. O melhor é cozinhar esses vegetais no vapor por 5 minutos para preservar todos os nutrientes, consumi-los crus quando possível ou sob a forma de suco.

Elly Tuchler
Médica Acupunturista
www.acuhomeo.com
(407) 373-0606