Conselho de Cidadania quer a reabertura do Consulado em Orlando

Conselho de Cidadania quer a reabertura do Consulado em Orlando

Empresários, lideranças de comunidades e imprensa estiveram reunidos na sede do Rotary Club of Brasil iniciando campanha que mobilizará parlamentares em Brasília, coletas de assinaturas e futuras reuniões

Aloysio Vasconcellos, Presidente Conselho de Cidadania da Flórida
Aloysio Vasconcellos, Presidente Conselho de Cidadania da Flórida

Integrantes do Conselho de Cidadania da Flórida, presidido por Aloysio Vasconcellos, empresários, lideranças de comunidades, imprensa e demais convidados estiveram reunidos no café da manhã, no Pointe Brasil – sede do Rotary Club of Brasil -, em Orlando. Na ocasião foi feita a apresentação de importante Projeto visando a instalação do Consulado Brasileiro na cidade, atendendo a demanda da região, onde se concentra um fluxo considerável de brasileiros, empresas e turistas que desembarcam para as compras. O primeiro e decisivo passo do Conselho impulsionou campanha que mobilizará parlamentares em Brasília, coletas de assinaturas e futuras reuniões, conscientizando as nossas autoridades quanto a eficácia dessa iniciativa. “A comunidade cresceu numericamente e há um contingente de interesses, também envolvendo as empresas atuantes na região. Temos hoje uma população flutuante, estimada em um milhão e trezentas mil pessoas que vêm a Orlando para consumir. Um número expressivo de brasileiros que precisam do apoio do Consulado, no caso de acidentes, assaltos e perda de passaportes”, alerta Aloysio.

Disse o presidente que a meta este ano é resgatar o Consulado Brasileiro em Orlando, que há 15 anos atuava na cidade, tendo de encerrar as suas atividades devido ao baixo movimento na ocasião. Vasconcellos enfatiza que na época não existiam voos diretos para Orlando, como ocorre nos dias de hoje, e que o fluxo de visitantes concentrava-se em Miami. “A situação é bem diferente nos dias atuais. Prova disso é que foi inaugurado em Orlando o Banco do Brasil para atender a população residente e os turistas que desembarcam em massa por aqui”, complementa.

O dirigente lembra que a meta do Conselho de Cidadania em mobilizar campanha em prol da volta do Consulado em Orlando é reivindicação antiga. “A questão do Consulado em Orlando é prioridade e vamos nos empenhar para isso”, diz. O próximo passo, adianta, “será a coleta de assinaturas e o contato com parlamentares em Brasília, levando nossas reivindicações. Haverá outras reuniões do Conselho, reforçando o nosso objetivo. Ficou inviável manter apenas as atividades do Consulado Itinerante porque a Comunidade cresceu, como cresceu também o número de empresas comandadas por brasileiros. Há uma forte demanda e precisamos atender a população. É quase que impraticável um residente de Orlando se deslocar até Miami para providenciar documentos. É um trabalho dispendioso porque leva um dia inteiro e, às vezes faltam documentos e o serviço não é executado. Essa problemática será sanada com a vinda do Consulado para Orlando que poderá exercer o serviço Itinerante na região”, fala.

O Cônsul geral do Brasil em Miami, Helio Vitor Ramos Filho, segundo Vasconcelos, “tem apoiado a nossa causa. Ele tem se mostrado favorável à reabertura do Consulado em Orlando. É uma reivindicação popular e ele está ciente de que o Consulado Itinerante, que atua aos sábados e domingos, não supre a demanda de Orlando. Um modelo que está esgotado. A fila é imensa e nem todos são atendidos. O Itamaraty está contendo verbas e as atividades do Consulado Itinerante ficaram escassas”, alerta. “O Consulado em Orlando estará operando diariamente e isso irá gerar recursos”.

Nova geração de brasileiros

Lembra Aloysio Vasconcelos que o perfil da Comunidade Brasileira mudou consideravelmente. “São os filhos dos emigrantes que nasceram aqui e que hoje estão atuantes, e mesmo pessoas com bom poder aquisitivo que deixam o Brasil e vêm residir em Orlando. É a terceira geração de brasileiros e isso muda porque na Flórida, sessenta por cento tem o curso universitário ou então cursou pelo menos dois anos em uma universidade. Os filhos dos emigrantes brasileiros têm uma educação privilegiada e falam até três idiomas. É um novo Brasil que surge e precisamos estar atentos a isso. Ao redor do mundo, são três milhões de brasileiros bem educados e que têm uma visão diferenciada em relação aos primeiros brasileiros que imigraram para os Estados Unidos e para outros países. É um novo Brasil fora do Brasil”, avisa.

Há 37 anos vivendo nos Estados Unidos, o presidente do Conselho de Cidadania da Flórida, Aloysio Vasconcellos, é natural do Rio de Janeiro e atuou em empresas multinacionais no país. Foi vice-presidente do Banco Citibank e, atualmente comanda uma empresa financeira. Um brasileiro muito bem preparado, esclarecido, imbuído na causa dos brasileiros na Flórida. Com sua vasta experiência, vem se empenhando para que Orlando tenha de volta o seu Consulado. Um passo essencial para o fortalecimento da Comunidade.

Serviço

Como representantes do Conselho de Cidadania da Flórida estavam presentes o Presidente Aloysio Vasconcelos e os Conselheiros Pr. Wesley Porto, Amy Litter e Sandra Freier, responsáveis pela elaboração do Projeto.

Apoio do Banco do Brasil

Erivaldo Filho, gerente da agência do Banco do Brasil Americas
Erivaldo Filho, gerente da agência do Banco do Brasil Americas

Erivaldo Filho, gerente da agência do Banco do Brasil Americas, aberta recentemente em Orlando, participou da primeira reunião do Conselho de Cidadania da Flórida, quando falou da necessidade de abertura do Consulado Brasileiro na cidade, apoiando a iniciativa. “Esta área é um ponto turístico e comercial de extrema importância. Muitas pessoas têm se mudado para cá, e a região precisa ter o seu Consulado. O contingente de brasileiros é expressivo e isso irá beneficiar a todos, indistintamente”, disse.

Ele, inclusive, lembrou das atividades do Banco do Brasil – inaugurado há dois meses -, atendendo uma forte demanda de clientes. “O fluxo de brasileiros na agência é grande. Me refiro aos residentes em Orlando e aos turistas que vêm se beneficiando com o nosso caixa eletrônico. Temos trabalhado com afinco para que as coisas funcionem. Tenho dito que Orlando é a casa de praia do Brasil. No passado, ter uma casa na praia era o sonho de todo brasileiro. Hoje o sonho do brasileiro é ter uma casa em Orlando”, enfatiza.

Natural de João Pessoa, na Paraíba, Erivaldo reside nos Estados Unidos há 13 anos, ocupando a gerência do Banco do Brasil da América, em Orlando.