Brasileiros transformam ex-atriz em campeã de MMA

Brasileiros transformam ex-atriz em campeã de MMA

“Olá! Eu já falo português. Ou melhor, portuñol”, disse a simpática lutadora Jessica Aguilar. Mexicana de nascimento, criada nos Estados Unidos, ela contou que 99% dos profissionais responsáveis pelo seu sucesso são brasileiros. Os treinadores de jiu-jistu Ricardo Libório e Marcos “Parrumpinha” da Matta, de muay-thai, Katel Kubis, além do lutador do UFC, Thiago Alves, foram alguns dos brasileiros envolvidos na preparação de Jessica para a luta que deu a ela o cinturão inaugural da categoria peso-palha (até 52kg) do World Series of Fighting, no último dia 20 de janeiro.

foto: jessicaaguilar.com
foto: jessicaaguilar.com

Jessica precisou de menos de três minutos para derrotar a americana Alida Gray com um estrangulamento lateral e se tornar a primeira campeã da categoria até 52Kg do WSOF, em evento transmitido pelo canal NBC, em rede nacional de televisão nos Estados Unidos. O canal Esporte Interativo mostrou a luta no Brasil.

Quando criança, Jessica queria ser médica “para salvar muitas vidas”. Aos 31 anos, é uma lutadora determinada, que procura finalizar as adversárias no chão, com um jiu-jitsu apurado, e troca socos e chutes sem medo. “Eu tive uma fratura no dedão do pé direito no primeiro round de um combate e lutei três assaltos”, contou ela, orgulhosa.

Jessica Aguilar participou de filmes e peças publicitárias – foto: jessicaaguilar.com
Jessica Aguilar participou de filmes e peças publicitárias – foto: jessicaaguilar.com

Jessica ja foi técnica de laboratório de análises sanguíneas, atriz e até carcereira de um presídio do estado do Oregon. A busca pela realização profissional pode ter sido contraditória, mas um dia Jessica experimentou o sucesso e não o largou mais. “Cheguei na academia e havia uma aula acontecendo. Eu pensei que era luta olímpica, mas era jiu-jitsu brasileiro”, contou a lutadora. “Eu fiz a aula e gostei. Era diferente, era desafiador. Eu continuei treinando e, um mês depois, meu treinador me inscreveu num torneio. Eu sou muito competitiva. E, com apenas um mês de jiu-jitsu, eu venci. Então, disse, uau! Apenas um mês e ja fiquei em primeiro lugar!” Nove anos depois, Jessica está invicta há oito lutas e é apontada por muitos como a principal atleta da categoria em atividade.

O UFC anunciou em dezembro do ano passado que também vai passar a contar, em 2014, com a categoria peso-palha feminina. Para a estréia, contratou onze lutadoras do Invicta FC, uma das mais tradicionais associações de MMA feminino do mundo, para utilizá-las na vigésima edição do reality show The Ultimate Fighter na TV americana. Entre as lutadoras está a brasileira Claudia Gadelha.

Jessica Aguilar comemorou a estreia da categoria no UFC, a principal organização de MMA do planeta, mas contou ter ficado satisfeita em nao ter sido convidada para o programa. “Eu não consigo me ver em um reality show. Eu nao gostaria de me ver dentro de uma casa com todas aquelas mulheres, disputando espaço, não. Eu me vejo como uma treinadora, para ensinar algo. Não gosto de ter problemas com as pessoas, nem gosto que desrespeitem meu espaço.

Jéssica diz continuar amando a arte de atuar. Foi por ela que largou um dia a universidade, para tentar carreira de atriz em Los Angeles. Mas um dia deixou de viver personagens para fazer história.

Fonte: marcosperes.blogosfera.uol.com.br (Blog do Marcos Peres no UOL)