Brasileiros são hoje o maior grupo de visitantes estrangeiros em Orlando

Brasileiros são hoje o maior grupo de visitantes estrangeiros em Orlando

( SHINIKO R. FLOYD, ORLANDO SENTINEL / June 29, 2014 )
( SHINIKO R. FLOYD, ORLANDO SENTINEL / June 29, 2014 )

Alimentado por uma crescente classe média, o Brasil fez o seu caminho para o topo da lista de visitante estrangeiro em Orlando, ultrapassando o Reino Unido pela primeira vez.

Quase 770 mil visitantes da potência sul-americana foram para a Flórida Central em 2013, chegando a 759.000 da Grã-Bretanha, de acordo com estimativas da agência de marketing e turismo. Desde 2004, a viagem do Brasil para Orlando explodiu em 900%.

Liderando o caminho estão os adolescentes brasileiros, para os quais uma viagem para Orlando tornou-se quase um rito de passagem. Eles chegam depois de 10 ou 11 horas em um avião, cansados, mas ansiosos para experimentar as atrações da Flórida Central, vida noturna e lojas.

“Comprar é uma grande razão pela qual estão aqui”, disse a operadora de turismo em Orlando, Claudia Menezes. “Eles chegam com uma lista de itens para suas tias, primos, seus avós.” Menezes disse que eles desfrutam de parques temáticos como o Walt Disney World, Universal Orlando e SeaWorld, mas “eles também gostam de fazer compras.”

Menezes é vice-presidente da Pegasus Transportation, e os adolescentes brasileiros são cruciais para o sucesso da sua empresa. Metade de seus negócios vem de viagens internacionais, e 70% vem do Brasil.

Ela faz reservas em hotéis, organiza o transporte, organiza seus itinerários e tenta garantir que eles passem bons momentos em Orlando. Na semana passada, a Pegasus foi entreter cerca de 600 adolescentes brasileiros ficaram no Cabana Bay Beach Resort, novo hotel da Universal.

“Eles descobriram que Orlando é muito acessível”, disse Menezes. “É mais barato do que Nova York ou Miami, e não há nada comparável a isso no Brasil.”

A guia de turismo Marly Pinheiro, que traz grupos aqui três vezes por ano, disse que não é incomum para os adolescentes a chegar com $ 5.000 em dinheiro para gastar.

Os preços da Flórida, disse ela, são de duas a quatro vezes menores do que os preços no Brasil. Assim, os visitantes reunem-se a lugares como Perfumeland Megastore na International Drive, e compram de tudo, desde relógios Gucci a sapatos da Lacoste.

( George Skene, Orlando Sentinel / June 29, 2014 )
( George Skene, Orlando Sentinel / June 29, 2014 )

Na semana passada, cerca de 100 jovens brasileiros se aglomeraram ao redor das vitrines da loja, examinando mercadorias. Duas meninas gritaram quando avistaram um iPhone 5c. Preço: US$550.

Uma delas – Beatriz Moreira de 15 anos de idade – comprou o telefone para seu irmão de 11 anos de idade.

“Eu já tenho um iPhone, mas é velho comparado a este”, disse ela. “Estou animada porque é novo, e eu sei que ele vai adorar.”

O turismo brasileiro para os Estados Unidos tem aumentado durante anos, de acordo com o Escritório de Viagens e Turismo Nacional. A visitação do país deu um salto de 15% em 2013 – 2 milhões – e agora envia mais visitantes para os EUA do que a Alemanha, França e China.

As viagens do Reino Unido para Orlando caíram durante a Grande Recessão e ainda não se recuperaram totalmente.

O boom de viagens de brasileiros foi ativado por uma classe média em expansão e declínio das taxas de pobreza. Embora o Brasil tem milhões que vivem em condições extremamente pobres, a taxa nacional de pobreza caiu de 21% em 2003 para 11% em 2009, segundo o Banco Mundial.

Para acomodar a multidão de visitantes brasileiros, os parques temáticos grandes da região procuram funcionários que falam Português e imprimem os seus guias e mapas no idioma. Todos têm versões em português de seus sites.

SeaWorld até criou um programa de entrada antecipada para grupos brasileiros para que eles possam curtir as atrações mais populares do parque – como a Manta, e ainda terem tempo para fazer compras.

Os brasileiros – especialmente adolescentes – parecem atraídos por passeios de emoções extremas de Orlando, disse Jason Temple, vice-presidente de vendas e marketing da Fun Spot America na I-Drive. Temple disse que, durante um período agitado no início deste ano, 2.500 adolescentes brasileiros foram até o parque só para comprar bilhetes para o Skycoaster.

“Eles são procuram adrenalina”, disse Temple. “Mais do que as crianças a dos EUA”.

Asssim como os parques temáticos, Fun Spot atende a clientes brasileiros. Possui pista de dança com DJs que falam português e procuram operadores turísticos para sugestões de menu. Temple disse que não é incomum ver os jovens – muitas vezes em camisetas iguais – registrados no Fun Spot wi-fi, e conversando pelo Skype com suas famílias no Brasil.

“Eles querem mostrar tudo o que eles estão fazendo em Orlando”, disse ele.

Durante anos, Fun Spot fez pouco marketing fora dos EUA, contando com clientes locais para encher o parque. Hoje, ele está trabalhando com um agente no Brasil para vender ingressos lá.

“Tem crescido muito”, disse ele. “É certamente um mercado que queremos alcançar.”

Fonte: Orlando Sentinel