Brasil e Estados Unidos assinam acordo de facilitação de comércio

Brasil e Estados Unidos assinam acordo de facilitação de comércio

Países pretendem simplificar ou reduzir exigências e burocracias. Segundo governo, acordos reduzirão prazos e custos do comércio bilateral.

bandeiraDepois de uma rodada de reuniões em Washington (EUA), os governos de Brasil e Estados Unidos assinaram um memorando para facilitação do comércio entre os dois países, informou nesta sexta-feira (20) o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC)

O documento estabelece linhas de ação conjuntas de cooperação entre os dois países. A assinatura ocorreu na noite de quinta (19) na sede da Câmara de Comércio dos Estados Unidos.

“Pelo acordo, Brasil e Estados Unidos identificarão os setores econômicos promissores – que tenham condições de avançar comercialmente por meio de políticas de facilitação – e adotarão ações concretas em parceria com o setor privado para simplificar ou reduzir exigências e burocracias. Os governos dos dois países pretendem, assim, reduzir custos e prazos do comércio bilateral, expandindo-o”, informa o comunicado do Mdic.

Outro avanço, segundo o governo, foi em relação à convergência regulatória, sendo definidas agendas de trabalho setoriais/bilaterais para unificar exigências, padrões e se chegar a acordos setoriais de convergência e reconhecimento mútuo.

Nessa primeira rodada de reuniões, foi assinado acordo entre a Associação Nacional dos Fabricantes de Cerâmica para Revestimentos, Louças Sanitárias e Congêneres (Anfacer) e a Tile Council of North America (TCNA), entidades representativas do setor no Brasil e nos Estados Unidos, para harmonizar normas técnicas do setor.

“As discussões priorizam ainda outros setores, entre os quais máquinas, equipamentos e têxtil. As partes acordaram em trabalhar em agendas setoriais, com acompanhamento dos governos, para gerar resultados concretos”, informou o Mdic.

“O memorando e os acordos assinados reduzirão prazos e os custos do comércio bilateral. Queremos que mais e mais setores privados sejam encorajados e alinhar informações e normas técnicas, tirando benefícios desta grande aproximação comercial com os Estados Unidos”, disse o secretário de Comércio Exterior do MDIC, Daniel Godinho.

Fonte: g1.globo.com