Biden visitará áreas de inundação em Nova York e Nova Jersey

População de áreas inundadas em Nova York e Nova Jersey sofrem com transtornos

 

Visita de Joe Biden em áreas inundadas em Nova York e Nova Jersey acontece enquanto ele e líderes democratas lutam para que o Congresso inclua medidas para conter as emissões que causam o aquecimento do planeta em um projeto de infraestrutura de US $ 1 trilhão 

 

Da Redação 

Enquanto os residentes se esforçam para limpar e avaliar os danos das inundações catastróficas que varreram o Nordeste na semana passada com a tempestade tropical Ida, o presidente Biden se prepara para visitar as áreas duramente atingidas em Nova York e Nova Jersey. Uma missão que intensifica o seu propósito em investir no projeto de proteção às comunidades contra desastres climáticos.

A viagem de Biden acontece enquanto ele e líderes democratas lutam para que o Congresso inclua medidas para conter as emissões que causam o aquecimento do planeta em um projeto de infraestrutura de US $ 1 trilhão e para aumentar o financiamento para proteger as comunidades de desastres como o da semana passada.

Poucas horas depois das chuvas na área de Nova York, Biden os vinculou diretamente à sua agenda climática. Em um discurso, ele descreveu as enchentes como “mais um lembrete de que essas tempestades extremas e a crise climática estão aqui” e pediu mais gastos na modernização de redes elétricas, esgotos, sistemas de água, pontes e estradas.

O dilúvio letal do furacão Ida, que matou mais de 45 pessoas em Nova York, Nova Jersey, Pensilvânia e Connecticut, intensificou as batalhas que começaram em 2012 com o furacão Sandy sobre como desacelerar as mudanças climáticas e proteger as comunidades. As enchentes já estão intensificando o debate sobre se os líderes municipais, estaduais e nacionais estão fazendo o suficiente – mesmo aqueles que, como Biden, defendem publicamente medidas fortes.

 

Defensores de medidas climáticas 

Em Nova York e Nova Jersey, os defensores de medidas climáticas mais duras esperam que o desastre dê um novo impulso às ambiciosas leis de e regulamentos climáticos locais e estaduais e ajude a superar a oposição a propostas ainda mais abrangentes, como um projeto de lei do Conselho Municipal para proibir o aquecimento a gás e fogões em todos os novos edifícios.

Kathy Hochul, a governadora de Nova York, e Bill de Blasio, o prefeito de Nova York, prometeram intensificar a luta para lidar com a mudança climática à medida que agências estaduais e municipais se espalharam para ajudar os residentes a solicitar ajuda e fazer reivindicações de seguro. Maa alguns moradores ainda reclamaram que nenhum oficial havia estado no quarteirão dias após a enchente.

A governadora Hochul disse no domingo que estava alocando US $ 378 milhões em fundos federais para desastres para proteger os residentes de Nova York contra os efeitos da mudança climática e “trabalharia com os governos locais para identificar e consertar vulnerabilidades para que esse nível de dano não aconteça novamente.”

Tanto Nova York quanto Nova Jersey foram devastadas pelo furacão Sandy há quase nove anos, estimulando novas políticas e movimentos populares para enfrentar a mudança climática. Planos ambiciosos de infraestrutura foram projetados para o desenvolvimento de energia renovável e proteções costeiras, como paredões e restauração de dunas. Os fundos de pensão públicos começaram a se desinvestir de empresas de combustíveis fósseis, e leis foram aprovadas exigindo cortes drásticos nas emissões de gases de efeito estufa.