Biden eleva o tom e chama Trump de “perdedor”; diz que EUA prevalecerão

Joe Biden não poupou críticas a seu antecessor e disse que é “um mentiroso” e “perdedor”

Em discurso inflamado, Joe Biden em nenhum momento pronunciou o nome de Donald Trump e o chamou de “ex-presidente derrotado”, afirmou que o então ocupante da Casa Branca “não fez nada durante horas enquanto o Capitólio estava cercado” 

Da Redação

O discurso contundente do presidente Joe Biden na quinta-feira, no primeiro ano do ataque ao Capitólio, apontou o ex-presidente Donald Trump como mentor da invasão, o que representou uma ameaça à democracia americana. Biden subiu o tom e chamou seu antecessor de “perdedor” e “mentiroso”, se referindo a sua não aceitação aos resultados das eleições presidenciais.  

Biden afirmou que quem salvou o Estado de direito foi a polícia e que “nós, o povo, aguentamos e prevalecemos”. Ele reafirmou que não há provas de que os resultados eleitorais foram imprecisos e que Trump “perdeu por mais de 7 milhões de votos”. “Você não pode amar seu país só quando ganhar”.

Em nenhum momento, Biden pronunciou o nome de Trump e o chamou de “ex-presidente derrotado”, afirmou que o então ocupante da Casa Branca “não fez nada durante horas enquanto o Capitólio estava cercado”. 

O discurso de um ano da invasão ao Capitólio – que resultou em cinco mortes –, marca uma forte escalada na estratégia do presidente americano em relação aos distúrbios, de culpar Trump diretamente por seu papel no ataque sem precedentes à democracia americana.

O democrata chamou as pessoas que entraram no prédio do Congresso de invasores, que violaram o local com bandeiras que simbolizavam as causas para destruir os EUA. “Nem durante a guerra civil isso aconteceu. Mas aconteceu aqui em 2021″.

Biden listou os atos que os invasores fizeram: quebraram vidros, chutaram portas, jogaram extintores nos policiais, pisotearam os agentes e defecaram nos corredores. “Nós vimos com os nossos próprios olhos, ameaçaram a vida da presidente da Câmera, queriam enforcar o vice-presidente dos EUA”.

O presidente também criticou a China e a Rússia. Disse que, nesses dois países, os líderes “apostam que os dias da democracia estão contados”. “Eles apostam que nós, nos EUA, nos tornaremos mais como eles. Que os EUA vão ser um lugar para autocratas”. Biden refutou essa ideia e disse que, nos EUA, o poder é transferido pacificamente, sem armas, e que “todos são criados iguais”.