Biden da ultimato às empresas: exigir vacinação contra Covid para evitar o caos

Joe Biden, em seu discurso, pede as empresas que vacinem seus funcionários contra Covid

 

Durante seu discurso nesta quinta-feira, o presidente Joe Biden faz apelo às empresas dos EUA para que evitem o caos e exijam de seus funcionários vacinação contra Covid. Esta semana, registradas 700 mil vítimas da doença no país

 

Da Redação

O presidente dos EUA, Joe Biden, disse nesta quinta-feira (7) que mais empresas do país deveriam obrigar seus funcionários a receberem vacina contra Covid-19, classificando a medida como vital para encerrar a pandemia e sustentar a economia. “Peço que mais empregadores ajam”, disse. “Minha mensagem é que exija que seus funcionários se vacinem”, acrescentou.

Nesta semana, os EUA chegaram a 700 mil vítimas da Covid, e Biden fez um apelo contundente para que mais americanos se vacinem e evitem resistir ao imunizante. “Com as vacinações, vamos vencer essa pandemia. Sem elas, podemos enfrentar meses intermináveis de caos nos hospitais, prejuízos econômicos e ansiedade nas escolas.”

Os EUA tiveram um início veloz na aplicação de vacinas no primeiro semestre, mas entre maio e agosto o ritmo estagnou — sobretudo nos estados onde ainda há pessoas que não querem se vacinar, mesmo diante de tantos dados comprovando a eficácia e efetividade dos imunizantes. O total de pessoas completamente imunizadas no país não chega a 60%.

No mês passado inclusive, Biden ordenou que todos os trabalhadores federais e contratados pelo governo sejam vacinados, e que empregadores privados com cem ou mais trabalhadores exijam que seus funcionários sejam imunizados até 8 de dezembro, ou testados semanalmente. Essa ordem envolve 100 milhões de pessoas, cerca de dois terços da força de trabalho no país.

Biden reforçou o pedido em visita à construção de um futuro centro de dados da Microsoft, próximo de Chicago. O presidente citou empresas, como a United Airlines, que fixou outubro como prazo para seus empregados serem totalmente vacinados, tornando-se a primeira companhia aérea do país a tomar a decisão. Ele também elogiou outras empresas, como Walt Disney, a rede de farmácias Walgreens e a Microsoft.