BC dos EUA encerra estímulo monetário e mantém taxas de juros

BC dos EUA encerra estímulo monetário e mantém taxas de juros

Programa de recompra de títulos foi cortado conforme o esperado. Juros devem ser mantidos baixos por ‘tempo considerável’.

61824_Papel-de-Parede-Bandeira-dos-Estados-Unidos-da-America--61824_1024x768O Federal Reserve (Fed, o Banco Central dos Estados Unidos) anunciou nesta quarta-feira (29), sem surpresas, que não comprará mais ativos para estimular a economia e que manterá suas taxas de juros próximas de zero, embora possam subir “antes do esperado”.

O fim das compras de bônus do Tesouro e de títulos hipotecários já era esperado. No final do ano passado, o Fed estava comprando, mensalmente, US$ 85 bilhões em títulos, como forma de “injetar” recursos no mercado e estimular a economia. Desde então, no entanto, vem cortando seguidamente o volume de estímulos. No mês passado, o volume de compras já havia sido reduzido para US$ 15 bilhões.

O Comitê Monetário do Fed (FCOM) afirmou que houve “melhoras consistentes” nas perspectivas para o mercado de trabalho, um dos setores mais analisados para que a instituição decida sua política monetária.

Segundo o Fed, a economia deve crescer de forma moderada, com indicadores de mercado de trabalho e inflação se movendo em direção aos níveis considerados suficiantes pelo órgão.

“Além disso, o Comitê continua a ver força suficiente na economia ampla para sustentar o progresso atual em direção ao emprego máximo em um contexto de estabilidade de preços”, diz o comunicado divulgado nesta quarta.

O comitê do Fed também decidiu, tendo em vista os indicadores atuais, manter a taxa básica de juros entre 0 e 0,25% por um “tempo considerável”, especialmente se a taxa de inflação seguir abaixo da meta de 2%, mas acrescentou que, se a inflação e o emprego voltarem a subir mais rápido que o esperado, o aumento das taxas “poderá ocorrer antes do esperado”.

Programa de estímulo
O programa de estímulo encerrado nesta quarta foi a terceira fase do chamado “quantitative easing” – que, na prática, consistia na injeção de dólares na economia norte-americana. Para tanto, o BC adquiria títulos do Tesouro e imobiliários.

Essa última fase foi anunciada em setembro de 2012, e começou com compras mensais de US$ 85 bilhões em títulos. Em janeiro deste ano, o Fed começou a cortar as compras em US$ 10 bilhões a cada reunião do órgão.

Fonte: g1.globo.com