‘Alice’, avião comercial totalmente elétrico fará primeiro voo teste em Seattle

Expectativa para o voo teste do “Alice”, avião comercial elétrico que transportará nove passageiros

O “Alice”, primeiro avião comercial totalmente elétrico, desenvolvido pela empresa israelense “Eviation”, realizará o seu primeiro voo teste, transportando nove passageiros – estimativa de voo é de uma hora com velocidade máxima de 461 km/h

Da Redação

______continua após a publicidade_______

retaxes

Um feito inédito poderá ocorrer em breve na aviação. O primeiro avião de passageiros, totalmente elétrico, está se preparando para decolar, o que vem chamando a atenção no mundo. Trata-se do “Alice”, avião desenvolvido pela empresa israelense “Eviation”, que passou por testes de motor na semana passada, no “Aeroporto Municipal de Arlington”, ao norte de Seattle.

De acordo com o CEO da “Eviation”, Omer Bar-Yohay, o “Alice” está a apenas algumas semanas de seu primeiro voo, com tecnologia de bateria semelhante à de um carro elétrico ou de um celular e 30 minutos de carregamento. O avião transportará até nove passageiros, e poderá voar por uma hora e cerca de 440 milhas náuticas – velocidade máxima de 461 km/h.

Para referência, um Boeing 737 tem uma velocidade máxima de cruzeiro de 946 km/h. A empresa, focada exclusivamente em viagens aéreas elétricas, espera que aviões elétricos com capacidade para 20 a 40 passageiros sejam uma realidade dentro de sete a 10 anos.

Embora a empresa inicialmente visasse que o “Alice” decolasse antes de 2022, as más condições climáticas no noroeste do Pacífico no final do ano dificultaram os testes.

O projeto executivo tem seis assentos de passageiros para um voo mais espaçoso, e o avião de carga tem 450 pés cúbicos de volume. Tudo isso é possível e reduz em até 70% os custos de manutenção e operação dos jatos comerciais, segundo a empresa.

O espaço da aviação elétrica já está ficando mais cheio de startups e empresas de aviação estabelecidas. A NASA doou US$ 253 milhões em setembro de 2021 para a “GE Aviation” e a “MagniX” para levar a tecnologia às frotas dos EUA até 2035.

A Boeing está investindo US$ 450 milhões na “Wisk Aero”, empresa que constrói uma aeronave de passageiros totalmente elétrica e autônoma, e a “Airbus” está trabalhando em seus próprios empreendimentos de aviação elétrica desde 2010.

De acordo com especialistas do setor, o maior obstáculo para a aviação elétrica se tornar a norma em jatos de passageiros é a bateria.

“O obstáculo é a tecnologia da bateria, assim como nos carros, mas mais ainda nos aviões. Isso porque, com os aviões, a preocupação é o peso”, disse Ross Aimer, CEO da “Aero Consulting Experts.” “Assim que tivermos uma tecnologia de bateria melhor, que acredito em dois ou três anos, é quando todos esses aviões elétricos eventualmente chegarão com força total.”



____________________publicidade___________________

seguro

anuncie