A sobrevivência do sonho

A sobrevivência do sonho

voltar

SET/15 – pág. 03

 Happy people group dancing with hands up

A sobrevivência é um ciclo permanente de experimentações, que nos conduz a conquista ou arrasta-nos para o reduto sombrio do fracasso. O que podemos conseguir – atingir o alvo -, depende unicamente de empenho, abrir caminhos e perpetuar a nossa história com dignidade, maestria e perseverança. Mire-se em exemplos que fortalecem os ânimos e nos alerta de que tudo é possível, e que a situação pode tomar novos rumos, então é hora de virar o jogo. Não olhar para trás e confiar. Prova disso é o espírito de garra e superação do triatleta, Rodolfo Galvão, que, aos 54 anos, se classificou para a final do Campeonato Mundial de Traithlon, em Chicago, evidenciando que há tempo para todas as coisas. Temos o notável brasileiro, o empresário Edson de Almeida Brito, que desembarcou no país sem falar o idioma, e hoje comanda a destacada empresa, Construemax, recentemente premiada pelo Hispanic Business Initiative Fund (HBIF), em reconhecimento ao seu crescimento e empreendedorismo.

Alterar a rota que nos empurra para o precipício do comodismo é um dever contínuo. Transpor as barreiras do marasmo. Observar o caos, de braços cruzados, não é a melhor maneira de resolver o impasse. É essencial colocar os pingos dos is, ir à luta. Tomar às rédeas da situação e dar um basta à corrupção que assola o nosso Brasil, por exemplo, votando com consciência no próximo pleito, cumprindo o dever cívico com brasilidade e ímpeto. Ir às ruas protestar contra o status quo, sem vandalismo, pacífico, coerente aos anseios de quem pleiteia uma nação digna e transparente. Cabe a cada um de nós fazer a sua parte, inteirar-se dos acontecimentos, despojando-se do conceito de alienação. Devemos, sim, ser participativos.

E aos que estão na fila de espera, ansiosos pela regularização da documentação no país, tenham fé. Os tempos estão complicados, mas a morosidade dos acontecimentos não pode abalar a sua convicção. A inércia será vencida, acredite, portanto, se fortaleça e reaja! E como já dizia o lendário personagem das florestas, Robin Hood, um bravo defensor do seu povo, “lute e lute novamente, até que os cordeiros virem leões!”

Infelizmente, há os que transformam os pequenos momentos de derrota em uma avalanche de pessimismo, acham ser o fim de tudo. Desistem. As turbulências não duram para sempre, pelo contrário. É a prova de ferro que atinge os nossos anseios, mas nos torna mais fortes, robustos. Compatíveis ao que der e vier. A vitória tem seu preço, evidente, mas a recompensa será eterna, gratificante. Obter o que desejamos é estarmos confiantes, determinados. Espelhar-se na perseverança dos que vencem é uma forma segura da autoconfiança! Defenda a sobrevivência dos seus sonhos!


WaltherAlvarenga

Walther Alvarenga