A Justiça Divina

voltar

MAIO/2014 – pág. 52

“Com a medida com que medirdes sereis medidos” (Mateus, 7:1)

momento_espiritualEncontramos nos ensinamentos de Jesus muitas passagens onde fica bem claro o esclarecimento sobre a lei de causa e efeito. “Todo o que comete pecado é escravo do pecado” (Jo. 8:34). “Todos os que tomarem espada, morrerão à espada” (Mt. 26:52). “Se perdoarmos as ofensas recebidas, Deus igualmente perdoará nossos pecados” (Mt. 6:14-15). “O que quereis que vos façam os homens, isso mesmo fazei vós a eles” (Lc. 6:31). A humanidade poderia estar em situação melhor, mais evoluída espiritualmente, se esses ensinos tivessem sido bem compreendidos e ensinados. As pessoas se tornariam mais responsáveis, mais honestas, mais cumpridoras dos seus deveres. Entretanto, isto não ocorreu. A compreensão da lei de causa e efeito, nos faz sentir que somos os construtores dos nossos destinos, e que, portanto, cabe a cada um, trabalhar para melhorar o seu futuro. A lei funciona sempre, tudo o que fazemos, por atos, palavras e pensamentos produz um resultado correspondente.

Para se compreender bem o mecanismo dessa lei (ação e reação) é necessário admitir a pré-existência, ou seja, a vida antes da vida. Melhor dizendo: a reencarnação, pois, só na existência atual, efetivamente, não há como entender o princípio de causa e efeito, que nos permite compreender a Justiça Divina. Se admitirmos que todos partimos de um mesmo ponto, criados iguais por Deus, tudo fica compreensível. E só assim podemos compreender os ensinos do Mestre Jesus. Se pela criação se conhece o Criador – tal como pela obra se conhece o artífice – a reencarnação é um pressuposto indispensável para aceitarmos a bondade e a justiça do Supremo Ser, que Jesus nos ensinou a chamar de Pai. Ora, um pai trata igualmente os seus filhos. E o Pai não criaria alguns filhos dotados de grande inteligência, enquanto outros arrastam a tragédia da debilidade mental ou da idiotia. Um pai ama igualmente os seus filhos. E o Pai não daria vitalidade e saúde para uns, e deformidade e doença para outros. Deus não pode ser injusto. Não podemos imaginar um Deus que protege alguns de seus filhos em detrimento de outros. Um Criador que gratuitamente distribui flores aos filhos que abençoa, e espinhos aos filhos que deserda. Quem pensa isto, não conhece a lição luminosa de Jesus, ou, se a conhece, distorceu-a até os limites do absurdo. Disse o Mestre: “Qual dentre vós é o homem que, pedindo-lhe pão o seu filho, lhe dará uma pedra? E, pedindo-lhe peixe lhe dará uma serpente? Se vós, pois, sendo maus, sabeis dar boas coisas aos vossos filhos, quanto mais vosso Pai, que está nos céus, dará coisas boas aos que as pedirem?” (Mateus, 7:9-11).

O Pai nos dá tarefas, as condições adequadas, para desenvolvermos as faculdades, atualizar as potencialidades. Cabe a cada um apressar o seu progresso, e consequentemente a conquista da felicidade. As diferenças individuais se referem ao grau evolutivo de cada um. Ou porque já viveram mais, ou porque aproveitaram melhor o tempo, já cresceram mais em conhecimento e virtudes. Daí os predicados que parecem beneficiar uns em detrimento de outros, mas, a injustiça é aparente. Ocorre porque só vemos o presente. Na verdade, cada um constrói o seu destino. O presente é resultado do passado, assim como no dia de hoje estamos construindo o amanhã. A cada um segundo suas obras, como ensinou Jesus.

A teologia tradicional manda ser bom, para não sofrer castigo e para ser recompensado, seja antes, seja depois da morte. Mas, hoje, a pedagogia esclarece que prêmio, ou castigo, são práticas que apenas reforçam o egoísmo do educando, e que, portanto, não devem ser adotadas. Se devemos fazer tudo para vencer o egoísmo, vício mais radical (que tem raízes mais profundas) e que mais dificulta nosso desenvolvimento espiritual, como entender que o Criador aplicaria tais “recursos educativos” conosco?

Se na infância e na adolescência da humanidade o homem preferiu iludir-se com teorias que lhe acenavam com a conquista da “salvação” rapidamente, de maneira até bastante fácil, hoje que já crescemos um pouco mais, que nos achamos amadurecidos, é tempo de encararmos a realidade. Estudar, meditar, e procurar compreender os ensinos do Mestre Jesus, e nos empenharmos para afeiçoarmos nossas vidas a eles, única maneira de realizarmos a nossa evolução, edificando o “reino dos céus” em nós, como dizia o Mestre.

José Argemiro da Silveira
Autor do livro: Luzes do
Evangelho, Edições USE