A importância da vitamina D em nosso organismo

A importância da vitamina D em nosso organismo

voltar

OUT/14 – pág. 77

saude_elly_vitdA vitamina D possui inúmeros benefícios, desde a promoção do crescimento dos ossos e dos músculos até a atuação na pressão arterial. Alguns estudos sugerem que a vitamina D pode ajudar a aliviar as dores da fibromialgia e diminuir a progressão da esclerose múltipla. No entanto, a diminuição da vitamina D pode afetar a saúde das mais diversas formas.

As causas de deficiência de vitamina D podem ser:

  • por falta ou insuficiente exposição direta da pele ao sol (muito comum hoje em dia);
  • por má nutrição;
  • por má absorção (enfermidades do fígado, rins etc).

A vitamina D necessita dos raios solares (ultravioletas) diretamente sobre a pele. Sua ação é fundamental para que o cálcio e o fósforo sejam absorvidos no intestino. Quando este processo está deficiente, ao longo do tempo começam a aparecer sintomas como: dores ósseas, fraqueza muscular, osteopenia, osteoporose, osteomalacia, cãibras, fadiga e alteração no crescimento nas crianças. A vitamina D está também envolvida na regulação dos batimentos do coração, no aumento da imunidade, além de ser necessária para o normal funcionamento da tireoide e da coagulação sanguínea. A redução da vitamina D3 pode apresentar como sintomas: menos apetite, sensação de queimação na boca e garganta, diarreia, insônia, problemas visuais e depressão.

Pesquisas demonstram deficiência de vitamina D3 em algumas doenças mais sérias como:

1. Demência
Em 2014,publicado pelo Jornal de Neurologia, estudos mostraram que a falta moderada a severa de vitamina D duplica o risco de demência, como Alzheimer. Os estudiosos não estão seguros de como ocorre a conexão entre vitamina D e demência, porém, diante dos dados constatados, sugerem banhos de sol, alimentação saudável, exercícios físicos regulares e manter vida social.

2. Câncer de Próstata
Em 2014, estudos publicados no “Journal Clinical Cancer Research” demonstraram uma conexão entre baixos níveis de vitamina D e o agressivo câncer de próstata, especialmente em afro- americanos.

3. Função Erétil
Em 2014, estudos publicados do “Journal of Sexual Medicine” encontraram, em homens com severa disfunção erétil, níveis mais baixos de vitamina D do que entre homens com moderada disfunção. Atualmente, a disfunção erétil tem sido muito frequente, atingindo cerca de 30 milhões entre os homens americanos. Essa disfunção pode também ser causada por diabetes, pressão alta e certos medicamentos. As recomendações são mudanças do estilo de vida: parar de fumar, evitar beber bebidas alcoólicas e alimentação saudável.

4. Esquizofrenia
Em 2014, estudos realizados e publicados pelo “Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism” observaram que os pacientes com esquizofrenia apresentam duas vezes mais deficiência de vitamina D comparados com indivíduos normais. Nesse estudo, foram revisados 19 outros estudos buscando a relação entre esquizofrenia e a vitamina D.

5. Doença Cardíaca
Segundo pesquisas apresentadas por “American CollegeofCardiology”, na 63ª. Sessão Científica Anual, a deficiência da vitamina D foi relacionada a formas mais severas de doenças cardiovasculares. Mais de 70% dos pacientes que passaram pelo exame – angiografia coronariana – apresentavam deficiência dessa vitamina.

6. Artrites
Segundo pesquisas, os índices de vitamina D estão reduzidos em pacientes com artrites. A reposição da VitD3 ajuda na estabilização do quadro inflamatório.

Fontes alimentares de vitamina D:
Óleo de fígado de bacalhau, peixes de água salgada (carne escura), salmão, anchova, sardinha, atum, laticínios, ovos, aveia, batata doce.

Ervas que contém vitamina D:
Dente-de-leão, alfafa, cavalinha, salsa e urtiga.

Algumas observações úteis:
A VitD3, quando tomada em doses elevadas e sem supervisão médica, pode causar intoxicação.

Alguns remédios interferem na absorção dela, tais como, remédios que baixam o colesterol, antiácido e cortisona (esteroides). Outros interferem na reação cálcio/ vitamina D: diuréticos tiazídicos.

Atualmente, é muito frequente o uso dos protetores solares para evitar o câncer de pele. Estudos demonstram que a exposição ao sol (sem protetor solar) de algumas partes do corpo, como braços, rosto ou pernas e pés, por 10 minutos diariamente ou 30 minutos 3 vezes por semana é o suficiente para manutenção dos níveis de vitamina D sanguíneos.

Em casos específicos, faz-se necessária a associação de outros minerais como o cálcio e/ou magnésio, entre outros. É sempre útil dosar a vitamina D3 para realizar a reposição ou a manutenção dessa vitamina.

Cuide bem de sua saúde, vale a pena.

Elly Tuchler
Médica Acupunturista
www.acuhomeo.com
(407) 373-0606