Remada olímpica

Remada olímpica

Campeão mundial sub-23, o remador mineiro Uncas Tales Batista é uma das apostas brasileiras para os Jogos Tóquio 2020

Remada olímpica

por Luiz Humberto Monteiro Pereira

humberto@esportedefato.com.br

Mineiro de Belo Horizonte, Uncas Tales Batista recebeu do pai o nome do índio que é um dos protagonistas do filme “O Último dos Moicanos”. “O filme é inspirado em uma historia verdadeira, sobre a guerra entre franceses e ingleses pelas terras norte-americanas. Meu pai viu esse filme no ano em que nasci”, explica. Mudou-se para o Rio de Janeiro quando tinha 13 anos, porque o pai trocou de emprego. Passava sempre pela Lagoa Rodrigo de Freitas, onde via os remadores treinando. Iniciou-se no esporte e os resultados começaram a aparecer. Pelo Botafogo, foi tetracampeão carioca e tetracampeão brasileiro. Pela seleção brasileira, levou duas pratas no Campeonato Sul-americano Júnior e Sênior, em março deste ano. Em julho, tornou-se o primeiro homem brasileiro a conquistar um campeonato mundial de remo Fabiana Beltrame foi a primeira mulher, em 2011. O feito foi obtido ao vencer os dois mil metros da final do Single Skiff Peso Leve Sub-23, na Bulgária. Com o tempo de 6min59s, ainda estabeleceu o novo recorde mundial da prova. “Lutei e treinei bastante para chegar nessa conquista. Espero que essa medalha de ouro do Mundial valorize o esporte dentro do nosso país e incentive mais jovens a praticar o remo”, avalia o remador, que completará 21 anos no dia 14 de outubro e é tratado pela Confederação Brasileira de Remo como uma das grandes apostas para os Jogos Tóquio 2020.

Os ótimos resultados na categoria sub-23 levaram Uncas ao Mundial de Remo Sênior 2017, que foi disputado na última semana de setembro em Sarasota-Bradenton, na Flórida. O remador mineiro fechou sua participação com a sexta colocação geral da categoria Single Skiff Peso Leve Masculino (LM1x). “Meu resultado foi muito melhor que eu esperava. Não estava muito confiante. Achei que não chegaria nem entre os 12 melhores”, comemora. Dia 8 de outubro, o estudante de Ciências Contábeis disputa a última regata do Campeonato Estadual do Rio de Janeiro o Botafogo está na liderança do campeonato. Depois, entre os dias 18 e 22 de outubro, disputa o Campeonato Brasileiro de Barcos Longos 2017, que reunirá 27 clubes de todo o país no Rio de Janeiro.

Esporte de Fato – Como o remo surgiu na sua vida?

Uncas Tales Batista Foi por acaso. Eu estudava de manha e ficava a toa à tarde em casa. Meus pais falavam todos os dias que eu devia fazer algo. Então um dia, como eu passava sempre na porta da sede do remo do Botafogo, resolvi parar para ver como era o esporte. E não parei mais.

Esporte de Fato – Quais foram seus resultados mais expressivos?

Uncas Tales Batista Em 2013, ganhei a seletiva nacional como junior e tive meus primeiros títulos internacionais em 2014. Fui décimo-primeiro no mundial sub-23 e sétimo nas Olimpíadas da Juventude. Parei de remar no final de 2014 por causa de uma lesão e praticamente não competi em 2015. Voltei aos treinos normais em 2016, onde ganhei regatas internacionais importantes e fui o oitavo no mundo no sub-23. Meu ano de 2017 começou ruim, mas consegui me acertar. Fui campeão mundial sub-23 e agora obtive um sexto lugar no mundial adulto.

Esporte de Fato – Como está a modalidade no Brasil?

Uncas Tales Batista O remo é muito pouco reconhecido até mesmo pelas principais entidades do país. Algo que desanima um pouco os atletas. A quantidade de pessoas que conhece esse esporte ainda é muito pequena. Não vi nada mudar com o acontecimento dos Jogos Olímpicos no Brasil. Tudo continua igual ou até pior, se considerarmos todos os cortes que fizeram desde que as Olimpíadas do Rio de Janeiro acabaram.

Esporte de Fato – É possível viver do remo hoje no Brasil?

Uncas Tales Batista Eu não tenho patrocinadores. Recebo uma ajuda de custos do Botafogo, a farmácia de manipulação Vita Fórmula me dá um desconto nos meus remédios e, a partir do mês que vem, a Confederação vai me dar um auxílio para a manutenção das atividades. Não dá pra viver de remo, mas faço porque amo. Já disse para o meu treinador, se eu quisesse dinheiro, estaria estudando o dia todo e não remando!

Esporte de Fato – Como é sua rotina diária?

Uncas Tales Batista Apenas remo e estudo. Treino na Lagoa Rodrigo de Freitas, na Zona Sul do Rio de Janeiro, normalmente de manhã e de tarde nas segundas, quartas e sextas. Nos outros quatro dias, treino apenas um turno. Sou estudante do quarto período de Ciências Contábeis na UniCarioca e, no meu tempo livre, gosto de ver séries e filmes.

Esporte de Fato – Você treina em um barco diferente do equipamento utilizado nas competições internacionais. Por isso, antes das provas, precisa de alguns dias para se adaptar às diferenças. Por que isso acontece?

Uncas Tales Batista Poucos clubes brasileiros contam com barcos de competição, que custam em torno de R$ 80 mil, se contabilizadas as taxas de importação. Os barcos que utilizamos normalmente no Brasil são muito ultrapassados.

Esporte de Fato – Para Tóquio 2020, quais são seus planos?

Uncas Tales Batista Quero disputar medalhas em Tóquio, em 2020. E pretendo participar ainda das Olimpíadas de Paris 2024, Los Angeles 2028 e que sabe até as de 2032, quando estarei com 35 anos de idade!

Curta a página da coluna “Esporte de Fato” no Facebook em www.facebook.com/colunaesportedefato