Tagima: do Brasil, para o mundo

Tagima: do Brasil, para o mundo

Edição de setembro/2017 – pág. 50 e 54

A Marutec Music, importadora de equipamentos musicais e eletrônicos conhecida pela solidez e rapidez de seu crescimento, adquiriu os direitos de uso da marca de guitarras Tagima em 1996.
Além da fábrica no Brasil, a Tagima também fabrica em outros países instrumentos como guitarra, violão e baixo. Se a Tagima é reconhecida pela qualidade dos instrumentos de cordas que fabrica, a Nagano – marca de bateria desenvolvida pela Marutec em 2012 – segue o mesmo caminho. Além de fabricar múltiplas opções de baterias acústicas, a empresa lançou recentemente a Nagano Tech, modelo de bateria eletrônica que oferece inúmeras inovações tecnológicas.

Em 2017, após participar da NAMM Show, a Tagima USA oficializou sua participação no mercado norte-americano. Isso significa que os produtos Tagima já estão disponíveis para a venda no mercado norte-americano, competindo em pé de igualdade com muitos fabricantes norte-americanos. Confira a seguir entrevista exclusiva para o Nossa Gente com Ney Nakamura, Presidente da Marutec.

Nossa Gente – Em 1996 a Marutec adquiriu a Tagima, quando a partir de então a marca ganhou projeção no mercado brasileiro também com outras marcas, como Nagano e Fishman. Como você resumiria os últimos vinte anos da empresa?

Ney Nakamura – Resumir em poucas linhas 20 anos é muito difícil. Foram tantas as ações, dificuldades, alegrias, êxitos, Expomusic, Tagima Dream Team, worshops pelo Brasil todo, endorsement com os músicos brasileiros, viagens com o ônibus (show room Tagima), etc. O que melhor traduz tudo isto é o trabalho e o empenho que fizemos durante todos esses anos. Desde a nossa recepcionista até a minha pessoa, todos nós da Marutec nunca medimos esforços para construir todas as nossas marcas.

Bateria eletrônica Nagano Tech
Bateria eletrônica Nagano Tech

NG – Assim como outros fabricantes nacionais, a Tagima e Nagano também fabricam no exterior, em mercados como a China. Qual o percentual de produtos fabricados dentro e fora do Brasil?

NN – Com o mundo globalizado, todas as marcas produzem seus produtos em diferentes países, como na Indonésia, China, Japão, Estados Unidos e Brasil. Podemos citar como o grande exemplo a própria Apple, que tem a maioria dos seus produtos feitos na China. No nosso caso, mantemos uma fábrica de guitarras e baixos no Brasil, em São Paulo, para a Tagima. A Tagima é uma marca brasileira, e para dar todo o apoio a marca e suporte técnico, mantemos a fábrica no Brasil, produzindo somente produtos com alta qualidade e alto valor agregado. Fabricamos no Brasil alguns modelos clássicos e todos os modelos ‘Tagima Assinatura’. Com relação a Nagano, os produtos são todos importados da China e de Taiwan. A Fishman, por exemplo, tem produtos americanos e chineses.

Ney Nakamura no estande da Tagima - NAMM Show 2017
Ney Nakamura no estande da Tagima – NAMM Show 2017

NG – Em 2017 a Tagima USA iniciou operações nos Estados Unidos, após expor os produtos na NAMM Show. Foi a partir da NAMM Show e da receptividade dos produtos que você viu a necessidade de entrar no mercado norte-americano?

NN – Na realidade o mercado norte-americano é uma consequência da internacionalização da Tagima. Já havíamos começado a expor no mercado chinês há três anos, na feira de Shanghai. Temos um distribuidor que vende para os lojistas no mercado Chinês as guitarras e baixos ‘Tagima Brasil’ e também os modelos feitos na China. Quando participamos da NAMM Show 2016, vimos a receptividade da nossa linha Tagima não só pelo mercado norte-americano, mas também por outros mercados como a Argentina, França e Canadá. Portanto, a estratégia é: quando obtermos sucesso aqui nos Estados Unidos, com certeza a marca será conhecida mundialmente, e ainda trará mais prestígio para a Tagima no Brasil.

NG – A empresa conta com um distribuidor nos Estados Unidos ou ela mesma será a responsável por abrir uma carteira de revendedores?

NN – Estabelecemos a Tagima USA Corp em maio de 2016 e estou cuidando pessoalmente da empresa nos Estados Unidos.
Assim como no Brasil, vendemos somente para as lojas de instrumentos musicais. Tenho visitado várias lojas em diversas cidades norte-americanas, e temos tido uma boa receptividade para os produtos Tagima.

NG – Qual a estrutura e localização do escritório? O estoque também se encontra na mesma instalação?

NN – O escritório de vendas assim como o “warehouse” estão atualmente em San Clemente, Califórnia, porém já estamos a procura de um novo espaço aqui mesmo em Orange County. A estrutura interna ainda é muito pequena. Contamos com revisores de produtos, assistentes de vendas e gerente de vendas, e já temos alguns representantes de vendas em estados como Califórnia, Washington, Oregon, Texas, Arizona, Pensilvânia e New Jersey. Como o mercado é muito grande, estamos ainda à procura de mais representantes.

NG – Os produtos já estão sendo comercializados nos Estados Unidos?

NN – Sim, já temos cerca de 40 lojas que compraram nossos produtos e muitas delas já fizeram a reposição das Tagimas.

NG – Quais as ações estão previstas a curto e médio prazo para a Tagima USA?

NN – Já participamos de duas edições da NAMM Show, sendo a Winter NAMM, em Anaheim, em janeiro de 2017, com um estande de 60 metros quadrados, e Summer NAMM, em Nashville, em julho de 2017, com um estande menor, pois a própria feira é pequena.

Já confirmamos espaço na Winter NAMM 2018, que será em janeiro de 2018. Além dessas que são as principais feiras, participamos também da L.A Guitar Show. As ações previstas passam pela divulgação da marca através das mídias sociais. O nosso website norte-americano é tagimaguitars.com Estamos também produzindo vídeos e aproveitando o material de marketing desenvolvido no Brasil, mas temos consciência do trabalho longo e duro que teremos para fixar a marca nos Estados Unidos.

Guitarra Tagima modelo Teo Dornellas, edição limitada
Guitarra Tagima modelo Teo Dornellas, edição limitada

NG – Em um primeiro momento, todas as marcas do grupo estarão sendo comercializadas no mercado norte-americano?

NN – Por enquanto apenas a Tagima. No futuro, a Nagano e Nagano Tech e, quem sabe, a N Zaganin também. Tenho insistido para que o Marcio Zaganin venha fazer um trabalho aqui nos Estados Unidos. Tenho certeza que com a qualidade dos instrumentos criados por ele, os produtos serão sucesso também aqui nos Estados Unidos.

Tecnologia & Lançamentos

NG – Dentre os mais recentes lançamentos da empresa, a bateria eletrônica Nagano Tech vem sendo muito comentada no Brasil. O produto já está sendo comercializado?

NN – Sim, no Brasil, com ótima receptiv

idade graças ao excelente produto desenvolvido pelo Mauricio Leite, somado a força de vendas da Marutec. Aliás, as baterias acústicas também são todas desenvolvidas pelo Mauricio Leite. Acredito que em ambos os casos não teríamos problemas em vender esses produtos nos Estados Unidos.

NG – Além de Maurício Leite, quais outros profissionais estão envolvidos com o projeto?

NN – A Nagano e Nagano Tech fazem parte de um projeto separado dentro da Marutec. Temos uma equipe exclusiva para assistência técnica e separação/expedição dos produtos, além dos profissionais Marco Vignoli (Diretor de Vendas), Michel Nishimura (Supervisor de Vendas), e uma equipe de representantes. Responsável por desenvolver os produtos temos o Mauricio Leite, que com o seu conhecimento de produto vem fazendo um ótimo trabalho com as baterias acústicas Nagano e Nagano Tech.

NG – A fabricação do produto está concentrada na China?

NN – Sim, basicamente na China.

NG – Serão lançados diferentes modelos de baterias eletrônicas? Se positivo, todos serão expostos na NAMM Show?

NN – A Nagano Tech terá outros modelos, que serão apresentados no evento Nagano Drum Fest 2018.

 

Nagano Tech

por Mauricio Leite

O projeto Nagano Tech nasceu da necessidade de termos um produto voltado para os novos bateristas, para bateristas que deixaram de tocar por problemas de espaço, ou simplesmente para os bateristas atuantes, que necessitam de uma ferramenta de estudo para qualquer hora. Baseado nisso, o silêncio do toque nas peles que uma bateria eletrônica oferece é um recurso fundamental. Nesse sentido, a Nagano Tech tem peles do tipo ‘Mesh Heads’, que possibilitam não só um toque silencioso, como também um rebote absolutamente próximo ao de um tambor acústico. Nossa pele tem desenho exclusivo de 03 camadas, com a parte central da tela de aço. A ergonomia do rack, onde são montados os tambores eletrônicos, possibilita um posicionamento igual ao de um kit acústico regular. Todos os pads e pratos são ‘Dual Zone’, ou seja, dois sons em cada pad. Com isso, o universo de pesquisa e timbres é gigantesco.

Um ponto fraco dos kits acústicos e eletrônicos é o tipo de pedal de bumbo que vem incluído ao kit. Em se tratando da Nagano Tech, o pedal incluído tem todos os itens de regulagem encontrados nos pedais mais caros do mercado. Dessa forma, o baterista iniciante ou profissional já conta com uma ferramenta para estudos técnicos e performance ao adquirir a Nagano Tech. O módulo foi desenvolvido como uma ferramenta completa. Ele oferece controles deslizantes (faders) para regulagem de volume dos pads de bumbo, caixa, toms (agrupados), ride, crash, e hi-hat. O conjunto funciona como uma mesa de som. São 04 botões de função avançada, 01 cursor e 01 giratório. As mudanças e regulagens se fazem fáceis e imediatas. Conceitualmente a Nagano Tech “pensa” com cabeça de baterista, e não de engenheiro de som.

O click (metrônomo) tem um botão exclusivo para acionamento, assim como o fone de ouvido e a entrada auxiliar – entrada essa que possibilita o uso de fontes sonoras externas (como MP3 player, CD player, e outros) para tocar junto. Tocar acompanhando músicas faz parte do DNA dessa bateria, e para permitir essa prática, a Nagano Tech inclui 38 músicas de estilos diversos – com a possibilidade de tirar a bateria original (acionando o botão “Mute”) e acionando o “Click”.

O baterista pode ainda conferir sua técnica com a função “Scope”, uma divertida ferramenta que mostra no visor a precisão dos toques.

Com 25 kits de bateria e 423 sons, o módulo tem entrada e saída MIDI e 01 entrada MIDI USB. Com isso, as possibilidades de gravação, troca de sons e interação são muito amplas. Profissionais podem fazer pré-produções utilizando este kit, madrugada a dentro, em qualquer que seja o ambiente.

A Nagano Tech pode ainda ser expandida com a adição de 01 pad de tambor e 01 de prato. Esse projeto foi desenvolvido a partir “do zero”, detalhe por detalhe, considerando as necessidades da vida moderna e a emoção de se tocar uma bateria de verdade. Ter toda essa emoção com um kit eletrônico de ergonomia ampla, design moderno e muitas possibilidades de performance e estudo significa ter uma Nagano Tech nas mãos. Um instrumento de preço médio, mas com todas as características dos modelos topo de linha.

Maurício Leite

Maurício Leite, responsável por desenvolver as baterias Nagano e Nagano Tech
Maurício Leite, responsável por desenvolver as baterias Nagano e Nagano Tech

Um dos mais populares bateristas brasileiros, com sólida carreira solo, 03 CDs gravados e dezenas de CDs como side man. Sua videoaula “Técnica! Conceitos & Aplicações” fez história, sendo recorde de vendas no segmento. Seu grupo “Time Out” tem 02 CDs e 02 DVDs lançados, além de extensa agenda de shows. Realiza em média 60 workshops por ano e tem mais de 200 artigos publicados. Desde 2001 vem colaborando e desenvolvendo baterias e acessórios. Desenhou vários produtos, como pedais de bumbo, peles, canoas, bem como toda a linha Nagano acústica – e agora o modelo NaganoTech. Além da Nagano Drums, é endorsee das marcas Sabian, Los Cabos e DrumClip.