Sem glúten!

voltar

JUN/13 – pág. 74

Você já deve ter visto, nos supermercados, alimentos direcionados a um público específico: pessoas que têm necessidade de excluir o glúten dos seus cardápios. Se você não tem esse problema, possivelmente conheça alguém que o tenha.

Essa é uma doença autoimune que pode ser ligada à genética, mas existem outros fatores que podem desencadeá-la. Atualmente, ela é considerada uma intolerância alimentar muito comum em todo o mundo. A importância desse diagnóstico, com múltiplas características, só é detectado através de exames médicos. Em muitos países, estão disponíveis produtos livres de glúten, sob prescrição médica, e que podem ser reembolsados pelos planos de saúde.

Cada vez mais empresas produzem alimentos livres de glúten, alguns dos quais possuem sabor e aparência quase indistinguíveis daqueles que possuem glúten.

Segundo o site wikipédia, a doença celíaca é conhecida desde o século XI, mas somente, em 1888, que Samuel Gee, um pesquisador inglês, descreveu-a em detalhes e achou que as farinhas poderiam ser as causadoras da moléstia. Em 1950, Diche, um pediatra holandês, observou que durante a guerra, quando o pão esteve escasso na Europa, diminuíram os casos de doença celíaca. Três anos depois, ele conseguiu comprovar sua teoria, deixando claro o papel do glúten (contido no trigo, cevada, aveia, malte e centeio) como causa da doença.

As principais fontes de glúten são a farinha de trigo, a cevada ou o centeio. Essas proteínas consumidas em excesso podem desencadear hipersensibilidade no organismo. A partir disso, as células e o intestino inflamam, desencadeando outros problemas. Se você interromper o uso do glúten por alguns dias, independentemente de ter ou não a doença, dará um descanso para o seu organismo e eliminará o excesso de líquido, diminuindo o acúmulo de toxinas. Ou seja, desintoxica e desincha. Assim, acaba emagrecendo. Frutas; verduras; legumes e raízes, tais como cará, inhame, batata doce, mandioca, fontes de carboidratos; substituem o glúten.
Para quem é celíaco, algumas receitas para quem quiser “enxugar” e tirar o acúmulo de toxinas.

Curiosidade – A intolerância ao glúten afeta 1 milhão de brasileiros e 1 pessoa a cada 100 no Reino Unido. 35% das crianças italianas são celíacas. Na Itália, a base da culinária é a farinha de trigo.

Receitas

Cleide Rotondo
cleide@nossagente.net