Resoluções Enológicas para 2018

Resoluções Enológicas para 2018

Ano novo, vida nova! Não é com esse lema que normalmente passamos a virada? Esse sentimento de renovação e de novas possibilidades sao deliciosos, e acreditamos que deva se extender para todos os aspectos da nossa vida, até mesmo para os vinhos que tomamos. Seguem abaixo algumas sugestões de práticas enológicas para tornar seu 2018 ainda mais saboroso

Edição de janeiro/2018 – pág. 30

Resoluções Enológicas para 2018

Mindful drinking

Um dos conceitos que anda em voga para vários aspectos da vida é o da “atenção plena” (ou “consciência plena”), conhecido em inglês como “mindfulness”. Ele diz respeito ao estado mental de se fazer conscientemente presente nas experiências vividas, com uma atitude de curiosidade ampla e paciente, sem julgamentos. Essa prática também pode (e deve) ser observada no que bebemos – bebidas alcoólicas têm efeitos que podem ser perigosos, e por isso sempre se recomenda beber com moderação. Porém, e mais além do simples controle do consumo alcoólico, a resolução que propomos é de beber com atenção plena, ou seja: com consciência dos sabores, dos cheiros, cor, do ambiente, da companhia, etc. É estar 100% conectado com o momento, e tornar a experiência mais agradável e intensa, sem aumentar o consumo. Experimente essa prática em qualquer momento e lugar – simplesmente se faça presente e consciente do que você está consumido e a forma como está vivendo aquele momento, e garantimos que a diferença entre o “beber casual” e o “beber consciente” será claramente notada.

Ano novo, vinho novo

Que tal experimentar um vinho que você nunca tomou? Pode ser uma uva especifica, ou um produtor que você não conheça, ou um vinho de um país diferente. Ampliar os horizontes enológicos sempre ajudam na definição do palato, seja para delinear o que você gosta ou que não gosta.

Vinhos Turcos são uma deliciosa (e acessível) surpresa. O restaurante Bosphorus oferece “flights” onde é possível experimentar as diferentes nuances das uvas locais e produtores variados.

Os vinhos espanhóis - Jornal Brasileiro em Orlando, Florida, EUA

 

Ano novo, vinho velho

Nem porque sugerimos tentar algo novo, é preciso abandonar o conhecido: se você já tem seus vinhos preferidos, abra lugar de honra para eles na sua adega e, se possível, faça com que os produtores saibam da sua preferência – muitos deles apreciam “tags” em mídias sociais, e se você tiver tempo para mandar seu elogio de forma pessoal, não deixe de fazê-lo – o grande beneficiado pode ser você, uma vez que é comum vinícolas oferecem descontos de “fidelidade” para clientes satisfeitos.

Cultive uma jóia

Pode parecer uma prática esnobe, mas existe um enorme prazer em abrir um vinho de guarda, ou seja, um vinho antigo mantido em condições adequadas para o consumo no futuro. Nossa sugestão para 2018 é adquirir uma ou mais garrafas de um vinho de guarda. Esses vinhos normalmente se transformam em deliciosas surpresas, ou até, em investimentos financeiros inesperados. Por exemplo: em 1982, quem comprou uma garrafa de Chateau Lafite lançada naquele ano gastou $41USD. Essa garrafa hoje custa em média $3,700USD. Então seja pelo prazer da bebida, ou pelo possível ganho, recomendamos os vinhos abaixo para serem “cultivados” em 2018:

  • Elizabeth Chambers 2014 Lazy River Vineyard Pinot Noir ($48USD) – beba entre 2018 e 2030;
  • Valserrano 2010 Gran Reserva Rioja ($36USD) – beba entre 2020 e 2028;
  • Musella 2010 Riserva Amarone della Valpolicella ($63USD) – beba entre 2018 e 2026;
  • Koyle 2013 Royale Los Lingues Vineyard Cabernet Sauvignon Colchagua Valley ($26USD) – beba entre 2018 e 2028;
  • Global Wines 2011 Casa de Santar Vinha dos Amores Touriga Nacional Dao ($30USD) – beba entre 2018 e 2028.

Não de ouvido aos especialistas

Sim, voce leu isso mesmo: não siga (sempre) o que a gente fala. Sommeliers e wine connoisseurs tendem a ser muito técnicos, e por isso, as recomendações e avaliações não agradam a todos. É a velha história do chef premiado versus a comidinha da vovó… Nossa intenção é sempre recomendar os melhores vinhos e afins com base na nossa formação e conhecimentos adquiridos ao longo dos anos de prática e estudo, porém temos plena consciência que gosto realmente não se discute, e não torcemos o nariz para amigos, clientes e familiares que tomam Riunite e Bud Light. Às vezes, até tomamos com eles. Cheers!