Refinanciamento de sua casa com retirada de dinheiro está de volta!

Refinanciamento de sua casa com retirada de dinheiro está de volta!

voltar

MAIO/2015 – pág. 34

sua_casa_veraMercado imobiliário continua crescendo e fortificando-se a cada dia em nossa área. As vendas de short sale e de REO (casas do banco) estão cada vez mais escassas, sem falar que, muitas vezes, esse tipo de compra não vale mais tanto como no passado. O mercado está normalizando e estabilizando-se. Isso é música para os ouvidos de todos os proprietários de imóveis.

Aos poucos, as vantagens de se ter imóveis tornam-se mais evidentes, assim como o prazer de ser um feliz proprietário. Uma dessas vantagens é ter a opção de retirar dinheiro de sua casa se precisar. Existem algumas formas, mas hoje vamos focar no refinanciamento do empréstimo.
Como funciona? Primeiramente, saiba se a casa vai ser avaliada por um valor acima da quantia que se necessita. Por exemplo, um imóvel que vale $200,000 com uma dívida de $100,000, provavelmente, qualificar-se-á para fazer uma retirada de dinheiro. Vamos supor que se precisa de $40,000; então, será refinanciado $140,000 e, desse valor, no dia do fechamento, levar-se-á para casa $40,000.

Existem gastos de refinanciamento bem parecidos com os da compra(quando do empréstimo inicial). Não se esqueça de que a dívida será maior, portanto, deve-se avaliar bem esta opção de transação. Normalmente, refinancia-se, no máximo, até 80% do valor do imóvel para não pagar uma taxa extra (PMI).

O banco é muito cauteloso e rígido com este tipo de empréstimo, pois, entre 2004 e 2007 (na alta dos imóveis), nove entre dez proprietários retiraram dinheiro de seus imóveis, refinanciando-os, e muitos perderam as casas.Por esse motivo, todos os documentos solicitados na compra de sua casa – duas últimas declarações de imposto de renda, salário, tempo de serviço no mesmo ramo, despesas e crédito – serão novamente pedidos com a finalidade de checar se os pagamentos mensais de seu empréstimo serão realmente efetuados.Esse tipo de refinanciamento não é indicado para todos os casos. Analise seu objetivo para verificar se vale a pena.

Caso possua um imóvel que se qualifica e paga-se o mesmo há pouco tempo e com juros maiores do que são oferecidos hoje, provavelmente, será uma boa ideia.

Em um empréstimo de 30 anos (com 20 anos já pagos), o melhor é permanecer com ele (e não refinanciar), pois praticamente tudo o que é pago mensalmente vai para o principal desse empréstimo. Aqueles que precisam de uma quantia pequena de dinheiro e que pagarão ao banco em curto prazo não devem refinanciar.

Para aqueles que precisam do dinheiro, mas não querem refinanciar, existe o home equity loan, que funciona da seguinte forma: o banco avalia a casa e concede uma linha de crédito. O dinheiro pode ser usado como a pessoa desejar e será pago com juros normalmente mais altos do que o refinanciamento. No entanto, nenhuma taxa de fechamento é paga (como no refinanciamento), bem como existe um mínimo a ser pago e que também poderá ser quitado.

Essas opções são para casos extremamente necessários. Não é recomendável se tirar dinheiro de uma casa para uma viagem, compra de coisas supérfluas etc. Lembre-se de que estará acumulando mais dívida e “empurrando” a quitação de sua casa para um futuro mais distante.

Vera Mendonça – Realtor
(407)367-8711
vera@nossagente.net