Porta-voz dos EUA despista sobre ausência de Obama na Copa

Porta-voz dos EUA despista sobre ausência de Obama na Copa

Americanos treinam no CT do São Paulo na Barra Funda Foto: Getty Images
Americanos treinam no CT do São Paulo na Barra Funda
Foto: Getty Images

Se dentro de campo o grande desfalque da seleção americana é a do ídolo Landon Donovan, fora das quatro linhas a principal ausência no Brasil será do presidente Barack Obama. Em entrevista ao Terra, o porta-voz do departamento de Estado americano, Justen Thomas, desconversou sobre a decisão do governo dos Estados Unidos e elogiou a recepção que os jogadores e turistas estão recebendo em São Paulo.

Thomas também ressaltou que tudo corre bem com a segurança dos atletas e visitantes que vieram ao Brasil para acompanhar o Mundial e que a popularidade do esporte está crescendo no país.

Sobre a polêmica envolvendo a Copa de 2022, em que os Estados Unidos poderiam tentar se tornar sede do evento, que será realizado no Catar, o porta-voz disse que a competição ainda está muito distante e que o foco é para a Copa e os Jogos Olímpicos no Brasil.

Terra – Como estão vendo a recepção dos brasileiros aos atletas dos EUA?
Justen Thomas – 
Que eu saiba os americanos estão sendo muito bem tratados em São Paulo. Obviamente, estamos preocupados com a segurança deles, mas até agora não houve nenhum problema. Também estamos focados nos americanos que estão no Brasil, não apenas os jogadores, mas também os turistas. É responsabilidade primária do departamento de Estado a segurança do americano no exterior.

Terra – O país é famoso por ter o maior número de atletas do mundo praticando futebol na infância. Por que os Estados Unidos ainda sofrem para que essas crianças se tornem profissionais do “soccer” em vez do beisebol, futebol americano e basquete?

Justen Thomas – Temos muitos esportes nos EUA, mas posso confirmar que a popularidade do futebol está aumentando. Temos uma seleção feminina que tem feito muito sucesso em Copas do Mundo. Também temos muitos jovens que jogam futebol e com a população crescente de latino-americanos a popularidade também está crescendo. A Copa do Mundo dos Estados Unidos foi uma das mais assistidas de toda a história, então vamos avançando. Acho que há espaço para o futebol crescer ainda mais e acho que realmente está crescendo.

Terra – Com a crise envolvendo a Copa do Catar 2022, há alguma hipótese de o governo americano apoiar a Federação de Futebol dos EUA a pleitear a sede da competição?
Justen Thomas – 
Nesse momento estamos bem focados na Copa do Mundo do Brasil, não temos posição sobre outros Mundiais no futuro, talvez, depois, poderemos focar mais em outros eventos. O Brasil também terá a Olimpíada em 2016, que é outro grande evento antes da Copa do Mundo de 2022 e vamos continuar trabalhando com autoridades brasileiras na Copa e na Olimpíada para que tudo saia bem e que o Brasil tenha tudo o que precisar para receber essas grandes competições. É um tema delicado, existem vários problemas no Catar, mas são desafios como o Brasil. Todo grande evento tem seus problemas, mas é responsabilidade do Governo trabalhar com a FIFA e também com outros governos para realizar um evento bem sucedido.

Terra – Por que o presidente Barack Obama não pôde vir ao Brasil assistir ao Mundial? Seria uma “vingança” após a decisão de Dilma Rousseff não ter aceitado um convite do presidente após o escândalo de espionagem envolvendo a NSA?
Justen Thomas – 
Nós estamos muito felizes de enviar nosso vice-presidente Joe Biden que estará em Natal para o primeiro jogo dos Estados Unidos e depois seguirá para Brasília para participar de reuniões oficiais.

Nossos embaixadores estarão nos jogos e muitos outros oficiais americanos. Ao mesmo tempo, teremos contato direto com o vice-presidente e com as autoridades em Brasília para falar sobre temas importantes, bilaterais, regionais e importantes para nossos dois países.

Estamos muito bem representados, nosso vice-presidente tem muito interesse na região, ele visitou o Brasil e outros países da América Latina muitas vezes e vai representar o presidente e o país durante a Copa.

Fonte: terra.com.br