Passagens para os EUA são vendidas por menos de R$ 1 mil

Passagens para os EUA são vendidas por menos de R$ 1 mil

Companhias aéreas e agências oferecem bons descontos para destinos no exterior. Dólar caro explica estratégia

Ilha das Estrelas, em Miami: viagem de sete dias para a cidade pode sair por US$ 1,1 mil
Ilha das Estrelas, em Miami: viagem de sete dias para a cidade pode sair por US$ 1,1 mil

A disparada do dólar nos últimos meses resultou em um movimento atípico na oferta de pacotes e passagens para o exterior. Em pleno período de alta temporada, companhias aéreas têm lançado promoções de viagens para outros países em sequência. Para se ter ideia, no site Melhores Destinos, apenas nos primeiros dias deste ano foram lançadas diversas ofertas com passagens de ida e volta para o exterior por menos de R$ 1 mil. O movimento permite aos turistas buscar preços mais atrativos, apesar de ser obrigado a aumentar o valor para arcar ao final da viagem, uma vez que a conta é feita na moeda norte-ameriana. Os descontos são maiores para localidades com maior oferta de voos, como os principais destinos dos Estados Unidos. Para Orlando, por exemplo, é possível comprar passagens de ida e volta por apenas R$ 949, ou seja, por cerca de US$ 351 (com a cotação do dólar em R$ 2,70).

O empresário Vladimir Dantas tinha a intenção de viajar para a República Tcheca, mas, ao consultar uma agência de viagens, soube de uma promoção para Miami. A viagem de sete dias saiu por US$ 1,1 mil. Segundo ele, os Estados Unidos não eram nem de perto a primeira opção. “Dada a condição, apesar da alta do dólar, o preço foi muito bacana”, afirma. Em pesquisas anteriores, ele encontrava apenas as passagens de ida e volta por cerca de US$ 700 (R$ 1.890). Agora a viagem inteira ficou por pouco mais do que este valor.

Mais opções

O vice-presidente de Relações Internacionais da Associação Brasileira de Agências de Viagens (Abav), Leonel Rossi, considera “atípico” o movimento de promoções em pleno período de alta temporada. A justificativa, segundo ele, está diretamente ligada à maior concorrência no mercado de viagens internacionais e não somente à queda de demanda causada pelo dólar mais caro. Em 2014, o mercado teve alta de 5%, considerando tanto viagens domésticas quanto para o exterior. “Temos uma oferta muito grande de viagens internacionais. No ano passado, 13 companhias estrangeiras passaram a voar para o Brasil”, afirma. TAP e American Airlines, por exemplo, hoje oferecem mais de 100 voos semanais, segundo a Abav. A Azul também começou a oferecer voos para os EUA. E a Copa aumentou seus destinos na América do Norte.

As promoções para os Estados Unidos têm sido repetidas nos últimos meses, reflexo da criação de novas rotas em alguns dos principais aeroportos do país. Desde o dia 1º, TAM, American Airlines e Delta já fizeram ofertas de voos com desconto. “A TAM sempre busca oferecer opções de tarifas e destinos que atendam a todos os perfis de clientes, e trabalha com o conceito de composição dinâmica dos preços, direcionando o valor da passagem de acordo com a demanda de cada perfil de passageiro, alinhada com a oferta de assentos disponível no período”, informa a companhia aérea por meio de nota.

O dólar encerrou 2014 com alta de 12,78%. A cotação da moeda subiu de R$ 2,35 para R$ 2,65, no decorrer do ano. A gerente de vendas da Master Turismo, Alexandra Peconick, afirma que, apesar da desvalorização do real, o turista mineiro ainda não se inibiu. As vendas para eles continuam em alta.

Datas distantes, preços melhores

A disponibilidade para viajar em datas alternativas é uma forma de garantir preços mais atrativos. Neste ano, como serão muitos feriados prolongados, a saída é fugir dessas datas para conseguir viajar em períodos de menor demanda. Outra dica de operadoras e agências de viagem é reservar os pacotes com a maior antecedência possível.

O vice-presidente da Associação Brasileira de Agências de Viagem (Abav), Leonel Rossi, reforça a posição da compra de pacotes com melhores condições fora dos feriados com o exemplo de um atendimento feito por sua empresa em dezembro. “Uma família queria viajar para um resort de luxo no Brasil no réveillon. Apresentei para eles um pacote para a primeira semana de janeiro pela metade do preço”, afirma. (PRF)

Fonte: em.com.br