Oscar Schmidt é um exemplo de superação

Oscar Schmidt é um exemplo de superação

voltar

FEV/15 – pág. 16 e 17

Após deixar as quadras se dedica em transmitir sua experiência de 32 anos na modalidade e 20 anos defendendo a Seleção Brasileira de Basquetebol com palestras motivacionais. Em entrevista exclusiva ao “Jornal Nossa Gente” o maior ídolo do esporte faz revelações surpreendentes sobre a carreira, política e superação. Ele fala da admiração pelos emigrantes brasileiros nos USA

hall

Apontado como um dos mais importantes jogadores de basquetebol de todos os tempos, entre os 50 maiores atletas do mundo na modalidade, teve o seu nome incluído no Hall da Fama de Basquete dos EUA -”Basketball Hall of Fame”-, em 2013. A impetuosidade e o talento de Oscar Schmidt são incomparáveis. Carinhosamente apelidado de “Mão Santa”, tornou-se um palestrante virtuoso, após deixar as quadras, transmitindo a vasta experiência de 20 anos defendendo a Seleção Brasileira e 32 anos de atividades. Ele já proferiu cerca de 700 palestras – 400 empresas – e é um nome forte no âmbito motivacional no Brasil, mobilizando um grande público por onde passa, pois todos querem absorver os conhecimentos do ídolo.

O encontro com Oscar Schmidt aconteceu em sua residência, em Orlando, poucos minutos após ele ter se levantado. Bem-humorado e acompanhado do amigo de mais de 20 anos, Lino Cervino, o ex- atleta recebeu a equipe do “Jornal Nossa Gente”, quando falou da carreira, da política no Brasil e do meia Kaká, atualmente no Orlando City. Objetivo em suas respostas, relatou sobre a superação da doença -câncer no cérebro-, que o tornou uma pessoa melhor, e riu de si mesmo ao lembrar que no momento não faz absolutamente nada nos Estados Unidos, desfrutando de merecidas férias. “Aqui (Orlando) eu não faço nada, curtindo a preguiça (risos). Estou muito tranquilo “, admitiu.

Indagado sobre um possível nome no basquete, que possa vir a ser o Oscar do futuro, foi enfático: “O Oscar é único. Agora, vejo que tem bons jogadores, cada qual com sua técnica e valor. Com certeza vão surgir outros nomes que possam representar o Brasil nas Olimpíadas de 2016. É importante que o jogador tenha liberdade em quadra. Ele tem que ser freado em alguns aspectos, mas precisa ser deixado para que faça a diferença. É necessário equilíbrio em equipe para atingir bons resultados. O Brasil vai disputar medalha nas Olimpíadas de 2016 e tem que estar preparado para isso. Precisamos de um bom time para nos representar”, alertou.

E quanto a possibilidade atuar como treinador no futuro, inclusive, no comando da Seleção Brasileira, a hipótese foi descartada por Schmidt. “Eu pensei muito sobre isso, mas não é possível. Não me resta tempo para isso porque tenho projetos em andamento o que torna-se inviável qualquer possibilidade como treinador. Foi cogitada a ideia, mas eu não teria espaço na minha agenda para me dedicar ao cargo. Faço palestras pelo Brasil e isso ocupa o meu dia a dia”, justificou. Entretanto, o ex-cestinha não é poupado pelos treinadores que o consultam e pedem a sua opinião sempre que possível. “Fiz amigos no esporte e, claro, converso com os treinadores sobre o basquete. E, geralmente o assunto envolve quadras e jogadores. Tenho a minha opinião e falo o que acho viável, principalmente agora que o país irá sediar as Olimpíadas e precisamos mostrar um bom trabalho. É uma conversa profissional, pois me preocupo com o futuro do nosso basquete”.

Depois de denúncias de irregularidades financeiras, envolvendo dinheiro público, a CBB (Confederação Brasileira de Basquete) foi alvo de investigações. A situação grave fez com que a Eletrobras suspendesse patrocínio ao basquete. É importante ressaltar que na década de noventa, no auge da carreira, descontente com a administração do basquete no Brasil, Oscar juntou-se a outros grandes ícones do esporte como Magic Paula e Hortência para criar a NLB – Nossa Liga de Basquetebol. Desta forma, organizaram uma competição nacional com estatuto, sede e juízes próprios. “Foi um período decisivo e tínhamos que fazer algo para moralizar o basquete no país. Tivemos que buscar alternativas”, lembra. Ele lamentou as irregularidades no esporte.

Hall da Fama

2bas_atlanta1996_2_oscar_bra_portorico_getty_397Mas o ídolo do basquete brasileiro recorda de momentos memoráveis de sua trajetória esportiva, quando, em 2013, recebeu a maior honraria da carreira ao ser eternizado no “Hall da Fama do Basquete de Springfield”, em Massachusetts, nos Estados Unidos, em cerimônia realizada no “Symphony Hall”. Ele obteve a outorga das mãos de um dos maiores jogadores de basquete de todos os tempos, Larry Bird, ex-craque do Boston Celtics. Oscar também faz parte do Hall da Fama da Federação Internacional de Basquete (FIBA). Incluído no Naismith Memorial, o ex-jogador se junta a Hortência e Ubiratan Macial, que entraram em 2005 e 2010, respectivamente.

“Foi o maior prêmio que recebi na minha vida”, Oscar se expressa com entusiasmo. “Só um atleta no mundo recebe esta dádiva e quando eu soube que o meu nome entraria para o Hall da Fama, não acreditei. E eu dizia às pessoas que vinham dar a boa notícia: Você tem certeza que isto está acontecendo? É verdade mesmo?”, contou. “Fiquei muito feliz porque o meu nome se juntou à dois grandes atletas no Hall da Fama: Ubiratan (Macial) e Hortência”.

O dia 23 de agosto de 1987 foi histórico para a Seleção de Basquete quando a equipe masculina do Brasil venceu o poderoso time norte-americano, representado pelos jogadores universitários da época, os favoritos e donos da casa, por 120 a 115, na final dos 10º Jogos Pan-americanos. Era a conquista da medalha de ouro e Schimidt, reconhecido pelos grandes feitos nas competições, brilhou como nunca nas quadras. E até o presente momento o atleta, apelidado de “Mão Santa”, tem o carinho do público. “Para as pessoas ainda sou o Mão Santa (sorri). É uma forma carinhosa de expressar admiração pelo meu trabalho”, disse. “A todo momento sou surpreendido por alguém que passa por mim e me chama de Mão Santa. É muito gratificante”.

E quanto a estreia do craque Kaká no Orlando City, em Orlando, que vem mobilizando uma grande torcida, Oscar fez elogios ao jogador e disse que pretende ver o ídolo em campo. “Tenho sim a intenção de ver o Kaká. É um ídolo nosso e merece o nosso prestígio. Um atleta que fez a sua história e é uma conquista para o Orlando City. Torço muito por ele”, enfatizou.

Sobre a carreira internacional, ocasião em que jogou na Europa pelo Caserna e Pávia, na Itália, e pelo Forum/Valladolid, na Espanha, lembrou Oscar que o fator financeiro pesou na sua decisão em deixar o Brasil. “Eu fui jogar na Itália e na Espanha porque precisava ganhar dinheiro. Era uma ótima oportunidade e não poderia deixar passar. Joguei nos melhores times da Europa e fiz uma campanha forte no basquete. Fiquei alguns anos por lá e tive um bom aproveitamento profissional”.

Supersticioso ou um obstinado pelo número 14? Nada disso. Para o ídolo, quando perguntado, o número 14 que aparece com frequência nas camisetas tem um significado especial, pois marcou o encontro com a pessoa mais importante de sua vida, além dos filhos Felipe e Stephanie. “Eu conheci a minha esposa – Maria Cristina – no dia 14 de janeiro. Este número passou a ter uma importância fundamental para mim. A Maria Cristina é a companheira de uma vida inteira. A ela eu devo tudo. E desde que a conheci, no dia 14, tudo mudou. O 14 é o número de grandes descobertas na minha vida”, revelou.

Futuro do Brasil

E quando o assunto é política, o futuro do Brasil em meio à onda de denúncias e corrupção, Oscar não se esquiva da pergunta. “Confesso que estou com muito medo pelo o que possa acontecer no Brasil. É um momento delicado e o país, economicamente falando, está fragilizado. O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) colocou o Brasil nos eixos. Foi um período importante para a Nação, mas as coisas se complicaram depois que a atual presidente (Dilma Rousseff) assumiu o comando do país. Eu votei no Aécio Neves porque almejava mudanças no Brasil, a exemplo do povo brasileiro que também quer mudanças. O preço do dólar disparou e vejo a situação bem difícil por lá. O Lula (Luís Inácio da Silva) foi um bom presidente, mas depois da mudança – entrada de Dilma -, tudo complicou no Brasil”, desabafou.

Em plena forma física e disposição no trabalho, Oscar Schmidt é um exemplo de superação e garra, inclusive, na questão da saúde. Ele superou um câncer no cérebro e retomou a sua vida, atualmente proferindo palestras pelo Brasil. Faz questão de enfatizar que tornou-se uma pessoa melhor, menos explosiva. “Eu melhorei muito. Antes me irritava por besteiras. Bastava algo me incomodar que eu logo explodia. Isto não faz bem e é prejudicial à saúde. E, antes de qualquer decisão repentina procuro analisar o lado positivo da situação para então me posicionar. Ficar irritado causa danos físico e emocional. Eu prefiro assim, ficar mais tranquilo. Antes falava o que pensava, sem me preocupar. Mas é preciso ter cautela para evitar transtornos. Aprendi a ser uma pessoa melhor”, comentou.

E sobre os rumores de que a vida do campeão das quadras vai virar filme, Oscar não descartou a hipótese. Ele revelou que tem um roteiro pronto, dependendo apenas de apoio financeiro para colocar a ideia em prática. “Tenho um roteiro básico e espero que a ideia saia do papel e vá para as telas. É sobre a minha vida como atleta e acho que o público vai gostar da história. Preciso de patrocínio para fazer o filme e espero que o projeto possa ser viabilizado”, disse.

No final da entrevista, mantendo simpatia e carisma, Oscar Schmidt enviou uma mensagem aos emigrantes brasileiros nos USA, demonstrando sua admiração pelos cidadãos do mundo. “É uma gente muito especial, que tem garra e que coloca a mão na massa. Os brasileiros quando vêm para cá, se esforçam. Trabalham duro, seja consertando telhados ou em qualquer outra atividade. Tenho muito carinho por todos eles e fica o meu abraço aos brasileiros que residem Orlando e nos demais estados americanos”, concluiu

Vida de palestrante

Considerado o maior palestrante do Brasil, Oscar já proferiu mais de 700 palestras – 400 empresas – e é um nome forte da Palestra Motivacional no país, mobilizando um grande público. Com vários livros escritos, ele passou a se dedicar em transmitir ao povo brasileiro sua experiência de 32 anos dentro das quadras, onde defendeu por 20 anos a Seleção Brasileira de Basquetebol, através de palestras. Trabalhando nos seus arquivos, montou palestras motivacionais em 12 versões diferentes: “Trajetória”, “Obstinação”, “Liderança”, “Desafios”, “Oscar e Marcel”, “Lições de Vida”, “Dormindo com a bola”, “Comprometimento”, “Time”, “Brasil – USA”, “Trabalho em Equipe” e “Inovação”, onde conta sua experiência de jogador e de grupo.

Em breve o público nos Estados Unidos terá a oportunidade de assistir palestras motivacionais, proferidas do Oscar, munidas de conteúdo, intensidade e muito humor. Vídeos e inúmeras imagens da carreira do atleta, com abordagens sobre liderança, motivação, sacrifício e treinamento, serão exibidas. Para mais informações sobre a Palestra Motivacional, in Company ou eventos, entre em contato pelo E-mail: oscarschmidt@oscarschmidt.com.br

WaltherAlvarenga

Walther Alvarenga