Os juros como sinal de reaquecimento da economia

voltar

ABR/13 – pág. 35

Ainda não se nota no mercado de compra e venda de imóveis residenciais a alta dos juros, pois o governo mantém as taxas básicas baixas e deixa o mercado praticar juros de acordo com a demanda para compra e refinanciamento imobiliário.

Com a volta das construções e as vendas de imóveis residenciais no Estado da Flórida em particular, não dá para dizer que, em todo o país, a economia esteja aquecida e que as taxas de juros subirão no curto prazo. Porém, outros indicadores de mercado têm que ser observados para visualizar que esses juros praticados hoje são somente por certo tempo e que a volta aos patamares do começo da década passada é apenas questão de tempo em médio prazo.

O mercado de imóveis comerciais está sendo pressionado pela procura por dinheiro para refinanciamento e para compra de imóveis em distress, ou seja, em foreclosure ou de posse dos bancos. Como essa corrente ainda durará um ou dois anos por causa do volume de notas vencendo, a pressão da procura por novos financiamentos irá impulsionar o custo do dinheiro.

No mercado secundário, conhecido na América como “hard money”, já não se encontra dinheiro a 8% ao ano. Quem precisar de dinheiro rápido e de capital de giro, não os encontrará por menos de 10% ou 12% ao ano. Mesmo assim, com restrições quanto a garantias e a prazos. Isto indica que estamos entre a ótima notícia de que a economia está reestabelecendo-se e a péssima notícia de que os juros estão sendo pressionados para cima. Aos efeitos colaterais da alta dos juros pelo lado positivo, poderemos dizer que o mercado de ações irá aquecer e os empréstimos, usando as ações como garantia, serão mais procurados. Sem dúvida, isso fomenta ainda mais a economia.

No lado ruim, causado pela alta dos juros, está a possível alteração de preços ao consumidor dos insumos básicos, o que impulsionará a inflação para cima. Nada para se desesperar, mas, nos próximos anos, deve prever-se algo acima dos 2% que têm sido estável nos últimos anos como taxa de inflação.

Para nós – economistas, essa demonstração de que as teorias de Adam Smith aplicam-se na prática, na América, faz com que você projete seus investimentos e poupança com bastante antecedência e que saiba exatamente quais são as regras do jogo.

Para os dois lados do mercado, este alerta merece atenção:

  • se você pensa em comprar algum imóvel, faça-o o mais rápido possível e com o mínimo de dinheiro próprio investido;
  • se você tem dinheiro para investir, então, cuidado para não se deixar atrair por rendimentos que, no médio e longo prazo, podem não remunerar os índices mínimos de mercado.

Resumidamente:

  • compre o que estiver precisando, usando o máximo de financiamento possível nas taxas de hoje ou invista o seu dinheiro, com sabedoria, para poder ter retorno compatível com os dias de hoje. Por isso, o americano diz: “CASH IS GOLD”.

www.atlanticexpress.com
antonioromano@gmail.com