Melhorar a qualquer preço é colocar o pescoço na guilhotina!

Melhorar a qualquer preço é colocar o pescoço na guilhotina!

Edição de agosto/2018 – p. 03

Melhorar a qualquer preço é colocar o pescoço na guilhotina!

Em tempos de dificuldades, na legalização de indocumentados nos EUA – situação que ficou muito mais comprometida no governo do Presidente Donald Trump –, o número de brasileiros que chega ao país em busca de segurança e vida melhor, continua se expandindo. O constante alerta quanto ao período de indefinição para estrangeiros, ao que parece, vem sendo ignorado pelos cidadãos que desembarcam nos aeroportos, munidos de esperança e do, “seja o que Deus quiser”, colocando em risco a si mesmo e os seus, entrando para a estatística de “persona non grata”, tentando se situar em contexto de leis severas, intolerância e ameaças aos que infringem a soberania americana. Inviável tal comportamento!

E não há como conter a debandada de brasileiros que chega aos EUA sem preparo algum – com raras exceções, evidente –, contando com o apoio de amigos ou de terceiros, numa escalada de imprevisibilidade. O que fazer? O livre arbítrio é um direito, entretanto, caminhar na linha tênue, entre a culpa consciente e a sorte, é um processo delicado, sem precedentes, e a consequência poderá ser desastrosa, em todos os sentidos. Por que então colocar o pescoço na guilhotina?

Hoje, os EUA estão severamente inflexíveis, diria, no alerta vermelho, na questão de emigrantes que transgridam as normas estabelecidas, manipulando regras para permanecer. É necessário que o cidadão desinformado saiba que existem deveres, antes de reivindicar direitos. A conscientização é um grande trunfo e evita ciladas, que frustram sonhos, aniquilam expectativas e que nos coloca à margem dos fatos. Antes do primeiro passo, certifique-se de que é realmente possível seguir avante. A resposta do erro é devastadora, nas devidas circunstâncias.

Paz não é algo negociável, que você pode dar como moeda de troca ou que aceite perder com normalidade. A paz interior vale mais do que qualquer dinheiro. Evite a ilegalidade, o que, infelizmente, ainda ocorre, como na travessia pelas Bahamas ou na travessia pelos desertos na fronteira do México, invadindo o país por passagens sombrias, que provoca morte e prisão. A vida é uma preciosidade, como também é preciosa a segurança da sua família. Agir com expertise espanta os males da ganância e da necessidade de melhorar a qualquer custo.

Planejamento e orientação são mecanismos que potencializam a iniciativa, até mesmo de viver nos EUA com os familiares, mas embasado nos métodos da legalidade. Agir com precipitação incorre no velho e sábio dito popular: “é dar com os burros na água”. O cuidado provém de atitudes sábias! Pense nisso!