“Manhattan Connection” desvenda os 25 anos de sucesso na TV

“Manhattan Connection” desvenda os 25 anos de sucesso na TV

Ancorado por Lucas Mendes, em Nova York, “Manhattan Connection” debate política, critica fatos polêmicos e mostra o lado pitoresco da bela Manhattan

Edição de março/2018 – pág. 17

“Manhattan Connection” desvenda os 25 anos de sucesso na TV

Um dos programas jornalísticos mais interessantes da televisão no Brasil – exibido pela Globonews –, o “Manhattan Connection” completa 25 anos. Ancorado por Lucas Mendes, em Nova York, o programa traz assuntos polêmicos no âmbito político, discutindo o Brasil e os EUA, também mostrando pontos pitorescos e bons restaurantes da Big Apple, através das dicas de Pedro Andrade. Há uma dosagem de humor e irreverência em tópicos do momento, incluindo os feitos do Presidente Donald Trump, entre outras questões.

O “Manhattan Connection” debate os principais assuntos da semana, em conversas descontraídas, tendo na bancada principal, em Manhattan, Lucas Mendes, Caio Blinder e Pedro Andrade, destacando-se as participações do polêmico jornalista Diogo Mainardi, da Itália, e do economista Ricardo Amorim, do Brasil. A produção é de Angélica Vieira. O programa, que atualmente vai ao ar no canal internacional da Globo, fala sobre política, economia, cultura e comportamento.

No programa que celebrou dos 25 anos do “Manhattan Connection”, no último dia 11 de março, todos os integrantes estiveram juntos na bancada em Nova York, respondendo perguntas de personalidades e fazendo as respectivas considerações de suas participações nos debates.

Para o jornalista Caio Blinder, quando perguntado sobre o sucesso do programa, o mais antigo da bancada, com Lucas Mendes, “além do talento dos companheiros de mesa, da produção-executiva da Angélica Vieira e da turma por trás das câmeras, a receita do Manhattan para se manter relevante é a mistura de densidade com irreverência. É tentar trazer para o programa os assuntos relevantes, mas também discutir assuntos mais importantes como, por exemplo, o sexo dos insetos e esse tipo de coisa”, avalia.

Segundo Blinder, ao longo desses anos, com a explosão das redes sociais e dos fake news, o imediatismo da informação é de extrema importância. “Hoje, a velocidade da notícia é outra. O que é manchete pela manhã, já morreu à tarde. E enquanto isso, uma nova polêmica já surgiu, um novo tuite ou factoide. É sempre um desafio. Por isso a gente aprendeu alguns truques, como o de voltar lá atrás, para falar de Shakespeare ou da Bíblia. Tratamos de assuntos mais perenes, já que tentar derrotar o fato do dia a gente não consegue”, enfatiza.