Investimentos impulsionam a expansão do Downtown Orlando

Investimentos impulsionam a expansão do Downtown Orlando

voltar

AGO/2015 – pág. 11

O “Jornal Nossa Gente” conversou com o empresário Antonio Romano, que relatou sobre investimentos, o fortalecimento do mercado imobiliário e de projetos suntuosos na área central, que poderá colocar Orlando entre as grandes cidades do país

Antonio Romano
Antonio Romano

A Flórida é um dos destinos mais procurados por turistas e brasileiros empreendedores, com cerca de 17 milhões de visitantes, em engrenagem que impulsiona a máquina do entretenimento e do mercado imobiliário. Em Orlando, a cidade multicultural, repleta de novidades e atrações para todas as idades, é um destino de renome mundial. E desde 2013, quando recebeu o título de cidade mais visitada nos EUA, superando Nova York, cresceu consideravelmente o índice de famílias que desembarcam no reduto de parques temáticos em busca de segurança e de oportunidades, com metas de se estabelecer e investir em um mercado rentável. O Downtown Orlando, por exemplo, é um centro em grande expansão, destacando-se os empreendimentos suntuosos – estádios, centros de artes, prédios residenciais e comerciais-, movimentando cifras milionárias. Inclusive, a construção do estádio do Orlando City, vem atraindo importantes investidores, a exemplo do projeto “Creative Village”, a ser construído em área de 66 acres de terreno, nos próximos vinte anos, abrigando escritórios, residências e amplo estacionamento. A equipe do “Jornal Nossa Gente” conversou com o empresário Antonio Romano, da “Atlantic Express 4 – Real Estate Development”, uma das empresas pioneiras no setor imobiliário e da construção, quando ele abordou sobre o crescimento e o fortalecimento da área central, que poderá colocar Orlando entre as grandes cidades do país.

“Particularmente Downtown ganhou uma energia muito grande nos últimos anos, pois passamos dos 500 mil habitantes para dois milhões de habitantes, e muitos grupos estão se locomovendo para o centro, impulsionando a construção de residências. E o residencial traz o comercial, e nesse patamar de um sobe e o outro setor cresce, além de muitos investimentos, temos dinheiro o suficiente no mercado para investir, principalmente no mercado secundário que ajuda financiar os empreendedores. Do outro lado da moeda, o Condado e a cidade querem ver Downtown se desenvolver para colocar Orlando entre as grandes cidades dos Estados Unidos”, comenta Romano. O empresário ressaltou as condições essenciais para que uma cidade seja enquadrada entre as grandes. “Eu li um artigo interessante que aponta os quatro fatores imprescindíveis para uma cidade estar entre as grandes: ter um número de times nas Ligas principais, que dá visibilidade. A segunda questão se refere às artes e o entretenimento, e nós temos o “Dr. Phillips Center for the Performing Arts”, importante centro de artes e entretenimento; buscar tecnologia, pois cidades grandes atraem empresas importantes no setor e isso é benéfico para o seu desenvolvimento, e, a quarta questão, é a qualidade de vida e isso nós temos”, enfatiza.

No setor dos esportes, o empresário destacou a ascensão do time do Orlando City, que construirá o seu estádio na área central de Orlando, a duas quadras do Estádio Amway Center, fortalecendo a área. A equipe agrega um número crescente de torcedores americanos e brasileiros, alavancando o nome da cidade no segmento, atraindo novos investidores. Antonio também citou o Orlando Indoor Soccer, o basquete e o hóquei no gelo, alicerces para o crescimento do Downtown Orlando.

“Creative Village”

Romano destacou o grande boom para os próximos vinte anos em Downtown Orlando, a construção do “Creative Village”, que impulsionará os diversos setores da cidade. O empresário apresentou à equipe do “Jornal Nossa Gente” o projeto desta nova investida, que irá abrigar 13 mil estudantes (550 unidades para estudantes); escritórios, 515 quartos de hotel, 950 unidades residenciais e área para quatro mil vagas de estacionamentos. “O projeto do Creative Village foi colocado como modelo pela Arizona State University, do Arizona, também responsável pela mudança radical do centro da cidade de Phoenix, com 11.500 estudantes. Phoenix mudou em vários aspectos, economicamente e culturalmente, com um avanço importante”, lembra o empresário.

Evidenciando o crescimento demográfico e expansão de Orlando, explica Antonio Romano que à volta de Downtown Orlando formou-se um anel onde estão instaladas as melhores Comunidades. Com isso, “fala-se que o melhor lugar para se morar é em Dr. Phillips, outros dizem que é em Winter Garden, em Celebration ou em Lake Nona, e assim sucessivamente. Este círculo que constroem a volta da cidade é uma característica de cidades de desenvolvimento, muito forte, e isso impulsiona a expansão do Downtown Orlando”, comenta. “No desenvolvimento do Central Flórida, temos um segundo anel a ser construído que vai ligar o Sul com a 528 (State Road 528). Terá um supercorredor, com oito pistas de carros, que ligará ao Litoral, e uma pista de alta velocidade de trem de passageiro, que trará o pessoal de Miami, entre outras conexões. Está sendo montada uma infraestrutura para fazer de Orlando um grande centro, batendo, inclusive, Atlanta em um prazo até 2040”, conclui.

Investimentos: Miami e Orlando

Entre as cidades de Miami e Orlando, no comparativo para investimentos, relata Romano que são dois polos diferentes para o investidor. O custo de imóveis no Downtown Miami, por exemplo, é dispendioso. “Os investidores de um modo geral consideram Miami como um centro financeiro, construindo e vendendo imóveis para estrangeiros. E quem compra em Miami são investidores internacionais, que adquirem imóveis pelo glamour do local e não pelo uso especificamente. São dois mercados bem diferentes e o que temos em comum é a proximidade. Um apartamento em Orlando que custa 200 mil dólares, vai custar em Miami dois milhões de dólares; um terreno que aqui custa dois milhões, lá vai custar vinte milhões. E o investidor primário, que deixa o glamour de Miami, passa ver Orlando como um ótimo centro de negócios”, fala o empresário. E quanto ao investidor brasileiro em Orlando, disse Antonio que a demanda desse investidor é na compra de residências. “No setor residencial o brasileiro busca os melhores locais para se estabelecer, mas sempre seguindo a orientação de corretores brasileiros, que lhe indica a melhor área para se comprar”.

Quanto as atividades de sua empresa, no mercado imobiliário e da construção em Orlando, disse o empresário – que comandou empresa de ônibus no Brasil, entre outros empreendimentos, com cerca de 900 funcionários-, que desde de 2007 havia o interesse em atuar na área central da cidade para investimentos. E mesmo na época de crise, lembra Romano, quando sucumbiu o mercado imobiliário, “tivemos grandes prédios em Downtown Orlando, com ótima disponibilidade, e muita gente comprou”, conta. “Eu venho da área de empresa de ônibus, de aluguel de carros e fábrica de chocolates no Brasil. O setor industrial em Orlando é nulo e o mercado de aluguel de carros é extremamente competitivo. A princípio eu queria investir em ônibus, mas o mercado não é rentável, com prejuízos. A empresa de ônibus local, a Lynx, que tem 350 ônibus, transporta menos passageiros do que eu transportava no Brasil com 46 ônibus. O prejuízo anual da Lynx é de 70 milhões de dólares, então busquei espaço no mercado imobiliário porque já tinha conhecimento”, relata.

“Na época que eu era consultor, pegava propriedade sem muito uso, e que estava condenada, e a transformava. Este foi o caso de um hotel que eu transformei em um centro industrial. Teve também um galpão que eu transformei em um Resort. E assim foram muitos empreendimentos na cidade”, acrescenta o empresário. “Temos outros projetos, inclusive, na International Drive. Compro imóveis de bancos e passo para empresas que precisam de galpões. Tenho conseguido muitos contratos com essas empresas. Nós construímos e alugamos imóveis. É um nicho de mercado interessante”, finaliza.

Natural da cidade de Santo André, no ABC Paulista, radicado em São Bernardo do Campo, Antonio Romano está há 19 anos nos Estados Unidos. E entre as atividades já exercidas no país, abriu uma fábrica de cigarros em Miami, deu consultoria para empresa de energia no Texas, “mas o forte é o Real Estate, na área de Orlando”, comenta. No tempo livre joga tênis com os amigos e curte a família.


WaltherAlvarenga

Walther Alvarenga