Grande hermano

Grande hermano

O treinador argentino Marcelo Mendez comanda o Sada Cruzeiro, o melhor time do vôlei masculino mundial

Entrevista com o argentino Marcelo Mendez, técnico do time de vôlei Sada Cruzeiro - Foto: montagem de fotos da Agência i7/Sada Cruzeiro e de Renato Araújo/Sada Cruzeiro
Entrevista com o argentino Marcelo Mendez, técnico do time de vôlei Sada Cruzeiro – Foto: montagem de fotos da Agência i7/Sada Cruzeiro e de Renato Araújo/Sada Cruzeiro

Tricampeão mundial, tricampeão sul-americano, tetracampeão da Superliga brasileira, bicampeão da Supercopa e heptacampeão mineiro. Embalado por jogadores consagrados na seleção brasileira – como o levantador William Arjona, o líbero Serginho e o oposto Evandro – mesclados com “pratas da casa” – como o oposto Alan, o ponteiro Leozinho e o líbero Vánderson –, o Sada Cruzeiro é reconhecido mundialmente como melhor time de vôlei masculino do planeta. Essa trajetória impressionante começou em 2009 e coincidiu com a chegada do técnico Marcelo Mendez. Ex-jogador e técnico do River Plate, com passagem times italianos e a seleção espanhola, o argentino com fama de rigoroso e obcecado pelo trabalho havia chegado ao Brasil naquele mesmo ano para treinar o Montes Claros, que derrotou o Sada Cruzeiro na final do Campeonato Mineiro de 2009. O convite para assumir a equipe celeste resultou em uma das parcerias mais vitoriosas do esporte mundial – já rendeu quase 30 troféus ao clube mineiro. A explicação para tantos títulos é surpreendentemente simples. “Nós trabalhamos muito, diariamente”, pondera o treinador de 52 anos, perfeitamente adaptado à vida na capital mineira, onde gosta de passear pela cidade, conhecer restaurantes e visitar as cidades históricas próximas, como Ouro Preto. “Belo Horizonte é uma cidade muito boa para se viver, com um clima muito agradável. Somos muito felizes aqui. Minha esposa e minha filha mais nova, Pilar, moram comigo. O Juan Manoel está nesta temporada no JF Vôlei, de Juiz de Fora. E o mais velho, Nico, joga voleibol no Arago de Sète, na França”, conta Marcelo Mendez, que preserva um indefectível sotaque portenho.

Esporte de Fato – Como é ser treinador da mais vitoriosa equipe do vôlei masculino mundial?

Marcelo Mendez – Tudo o que estamos vivendo foi o resultado de muito trabalho, para formar o time e conseguir implementar uma filosofia de jogo. Uma filosofia simples, mas efetiva, de baixar nosso erro, forçar o erro do rival, melhorar sempre o nosso saque. Além do elenco, do grupo de jogadores que reunimos no time, que queria vencer, queria se destacar. Essas coisas pouco a pouco ajudaram a dar uma identidade ao time, que foi evoluindo e se tornou o que é hoje. Eu sempre quis vencer todos os torneios que disputei, mas nem em meus melhores sonhos acreditava que faríamos uma equipe tão vencedora, e que entrou para a história, como o Sada Cruzeiro.

Esporte de Fato – Você tem sido procurado para treinar outros clubes e até seleções, como a da Polônia, atual campeã mundial. Como vê esse assédio?

Marcelo Mendez – Acho que é algo normal. Quanto você está sobressaindo, vencendo, as pessoas reconhecem este trabalho.

Esporte de Fato – Esteve cotado para substituir o técnico Bernardinho no comando da seleção brasileira…

Marcelo Mendez – Logo que o Bernardo falou sobre a possibilidade de deixar a seleção, muitos torcedores e pessoas do meio do voleibol começaram a conversar comigo sobre treinar a seleção brasileira. Para mim isso é como um elogio e também um reconhecimento por tudo o que conquistamos no Sada Cruzeiro. Fico feliz pelas pessoas lembrarem do meu nome.

Esporte de Fato – Como se iniciou no vôlei?

Marcelo Mendez – Sempre gostei muito de Educação Física e de vôlei. Com 15 anos, comecei a jogar pelo River Plate, de Buenos Aires. Quando ainda era jogador, comecei a estudar Engenharia e depois Administração, que eram cursos que o meu pai gostava muito. Mas não teve jeito. Acabei deixando e passei para o curso de Educação Física, pois queria muito continuar trabalhando com voleibol. Mais tarde, quando parei de jogar, depois de defender alguns times da Itália, passei a treinar as categorias de base do River. E logo em seguida assumi o time principal, onde fiquei por 10 anos.

Esporte de Fato – Dos títulos que conquistou, quais considera mais marcantes?

Marcelo Mendez – A Superliga brasileira é um campeonato muito forte e fui muito feliz ao conquistar quatro títulos com o Sada Cruzeiro. Sou o treinador que mais vezes venceu o torneio, no masculino. Mas os resultados que vão ficar por muito tempo na memória são os três mundiais que conquistamos. Especialmente o primeiro, em 2013, contra os russos do Lokomotiv Novosibirsk.

Esporte de Fato – Quais são as próximas competições que o Sada Cruzeiro irá disputar?

Marcelo Mendez – Estamos na reta final da Superliga, que é a competição mais longa que disputamos, e também já estamos no fim da temporada. Depois, retomamos o trabalho em junho, no início da temporada 2017/18. Jogamos o Mineiro em meados de setembro, a Superliga deve iniciar em outubro e, em dezembro, iremos para a Polônia disputar o Mundial de Clubes.

Esporte de Fato – Como acredita que o vôlei possa se desenvolver ainda mais como esporte no Brasil?

Marcelo Mendez – Tudo pode se desenvolver, melhorar. O vôlei brasileiro é referência no mundo, mas muita coisa pode ser aperfeiçoada. Desde o envolvimento das categorias de base, com a formação de novos atletas, até a organização das competições.

Curta a página da coluna “Esporte de Fato” no Facebook em www.facebook.com/colunaesportedefato

jogos cariocas