Falemos mais sobre Saúde Mental!

Falemos mais sobre Saúde Mental!

Edição de maio/2018 – pág. 38

Falemos mais sobre Saúde Mental!

De 23 a 27 de abril, ocorreu a Semana Nacional de Tratamento de Vícios, uma iniciativa para levar ao conhecimento de que o vício é doença, mas que existem bons tratamentos (formulados a partir de conclusões científicas), através dos quais a recuperação é possível.

Vícios são todos aqueles comportamentos impulsivos, exagerados e crônicos, que trazem consequências no âmbito pessoal, laboral ou legal.

Há quem tenha somente um dos comportamentos, há quem tenha múltiplos, há quem alterne seu vício. O uso ou dependência de substâncias, jogo, sexo ou pornografia, entre outros, destrói o indivíduo e suas famílias, gerando conflitos, caos, depressão e muita vergonha. Por ser considerado uma doença, deve ser tratado, discutido com profissionais e grupos de apoio especializados. O campo da medicina referente aos vícios é uma especialização, que continua precisando de muitos profissionais.

Nos Estados Unidos, 20.5 milhões de adultos são viciados em drogas e/ou álcool. No entanto, menos de 10% são diagnosticados ou recebem tratamento adequado. Milhões vivem em condados que não têm um único serviço com essa especialização.

Por ano, aproximadamente 88,000 pessoas morrem de causas ligadas ao álcool, tornando esse vício a 4ª causa de morte. De 1999 a 2015, morreram mais de 183,000 pessoas de overdoses de opioides, um tema alarmante e que chama a atenção de clínicos e políticos, como no caso do Governador Scott, da Flórida, que, em março, assinou um projeto de lei solicitando mais restrições na venda de opioides, bem como mais apoio a tratamentos (http://www.sun-sentinel.com/news/florida/fl-reg-rick-scott-opioids-bill-20180319-story.html). Os Estados Unidos ocupam 4% da população mundial, mas consomem 80% da produção mundial de opioides.

Esses dados, referentes a 2015, foram obtidos por meio de “Advanced Recovery Systems”, uma clínica de tratamento local, 1-877-837-116, e Clean Slate, 407-571-0285 (ambas aceitam seguros). Em Orlando, existem dois locais para tratamento de dependentes químicos que aceitam quem NÃO tenha seguro: Aspire Health Partners (407-245-0012) e Turning Point (407-740-0372). Há dois grupos de apoio gratuito: AA (407-260-5408), http://cflintergroup.org/ e NA (407-425-5157), http://orlandona.org/meetings/#. É comum ouvir-se, nestes meios, que o tratamento “funciona se houver esforço”. Sim. Somente com muito esforço consegue-se vencer um vício, seja ele qual for.

Na sequência à Semana Nacional de Tratamento de Vícios, foi celebrada a Semana Nacional de Saúde Mental, de 6 a 12 de maio. A Associação Americana dos Conselheiros de Saúde Mental (AMHCA) dedica-se a expor o papel dos terapeutas e apoiar o público a combater o isolamento, o estigma e a vergonha. A terapia ajuda-nos a resolver problemas, bem como a desenvolver-nos no âmbito individual, social e laboral, a tomar decisões e ao autoconhecimento. Essa associação, suas sucursais em cada estado e respectivos grupos locais promovem e exigem padrões éticos e profissionais que protejam o público. A terapia muda vidas.

Para encontrar um terapeuta, exija alguém licenciado ou estagiando (sempre supervisionado). Seu seguro próprio ou um programa para empregados (EAP) pode conceder-lhe um bom profissional. Eu recomendo que escolha alguém certificado em EMDR (https://br.mundopsicologos.com/artigos/o-que-e-emdr-e-como-funciona).

Para mais informações em nível local ou uma lista de clínicos que ofereçam este tipo de terapia, veja http://goemdrian.org/. Muitos profissionais da área oferecem assistência grátis a vítimas de traumas, como a tragédia de Pulse ou da escola de Parkland.

Outras páginas que poderão interessar e ajudar:

www.psychologytoday.com/us/therapists?tr=Hdr_Brand

www.nami.org/# (national alliance on mental illness)

www.mhacf.org/ (mental health association of central florida)

Como dizemos em bom português: “Não deixe para amanhã o que você pode fazer hoje!” Ajude-se e ajude sua família!