Estados Unidos mantêm plano de receber imigrantes sírios após atentado na França

Estados Unidos mantêm plano de receber imigrantes sírios após atentado na França

61824_Papel-de-Parede-Bandeira-dos-Estados-Unidos-da-America--61824_1024x768Apesar da pressão de republicanos e de alguns governadores, os Estados Unidos reafirmaram na segunda-feira (16/11) que irão manter o plano para acolher 10 mil refugiados sírios até o ano que vem.

Após os ataques em Paris na sexta-feira (13/11), feitos pelo Estado Islâmico, o governo norte-americano recebeu muitas críticas por manter o programa, depois das suspeitas de que um dos integrantes do grupo que participou dos atentados teria sido enviado à Europa como refugiado.

De acordo com o porta-voz do Departamento de Estado, Mark Toner, o programa será mantido porque os refugiados esperados passaram por um amplo e detalhado controle antes de chegar ao território norte-americano.

“Já dissemos isso para vocês, mas é importante enfatizar que os refugiados estão sujeitos ao mais alto nível de controle de segurança em qualquer categoria”, afirmou Toner.

Ele destacou que a “triagem” para a migração será feita por várias agências norte-americanas, incluindo o Centro Nacional Antiterrorismo , a Agência de Inteligência (o FBI), o Departamento de Segurança Interna e do Departamento de Defesa.

Com as declarações dessa segunda-feira, o governo Barack Obama voltou a sinalizar que vai manter o plano para receber refugiados.

No domingo (15/11), o assessor do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, Bem Rhodes, disse à cadeia de televisão norte-americana Fox News, que o programa seria mantido.

“Há mulheres e crianças, órfãos desta guerra na Síria, e creio que temos de contribuir, com os nossos aliados, para dar-lhes refúgio”, acrescentou.

Entre os governadores, alguns já se posicionaram de maneira contrária ao acolhimento dos refugiados. O governador do Texas, Greg Abbott, criticou a qualidade do “banco de dados” com informações sobre os refugiados sírios.

“Do lado sírio, esse banco de dados praticamente não existe e, como resultado, se aceitamos os refugiados, estaremos jogando o mesmo jogo de risco da Europa”, afirmou. A oposição norte-americana usa o momento – em plena campanha eleitoral para a presidência – para se manifestar em defesa de regras mais rígidas para a comunidade islâmica e também para impedir a vinda dos imigrantes sírios.

O magnata Donald Trump, um dos pré-candidatos republicanos, disse, em um comício ontem à noite, que vai expulsar os refugiados sírios do país, caso chegue à Casa Branca.

Alguns estados, como o Alabama e o Texas, também já se posicionaram de maneira contrária ao recebimento dos imigrantes sírios.

Fonte: Agência Brasil