Empresário americano confessa admiração pelo Brasil

Empresário americano confessa admiração pelo Brasil

voltar

JUL/2015 – pág. 29

Ele tem tatuado no braço o Cristo Redentor e a bandeira brasileira. Há 20 anos recebe turistas do Brasil em conexão com as empresas americanas. Sean Slack conta ao “Jornal Nossa Gente” sobre a “Revista Orlazil” e do livro que irá escrever

Tereza de Castro

DSC_2027

O empresário americano Sean Slack é um admirador do Brasil. Fala o português e tem tatuado no braço a bandeira brasileira junto à imagem de Jesus Cristo. Ele preside a empresa “Marquis – Internacional”, com representação em Recife e Rio de Janeiro, atuando na área de turismo há 20 anos, recebendo grupos brasileiros que vêm a Orlando para passeios e compras. O seu trabalho é conectar as agências brasileiras de turismo com as empresas americanas. Residindo em Recife, onde tem trânsito com os cidadãos local, conta Slack que é um admirador do povo na cidade, pela espontaneidade e alegria, ao contrário dos americanos, que considera mais introspectivo. A primeira vez que esteve em reduto brasileiro, lembra, foi em 1995, no show da ABAV (Associação Brasileira de Agentes de Viagem), voltando nos anos subsequentes, hoje uma trajetória de 20 anos acompanhando os eventos da associação. “O meu trabalho é receber brasileiros para conhecer Orlando. Faço contato com agências no Brasil e preparo roteiros e os levo para visitar as lojas de roupas e eletrônicos. Trabalho com grupos de vários estados no Brasil, como Natal e Bahia. O ano passado, recebi em Orlando 307 mil brasileiros que vieram para as compras e passeios. Cada grupo tem em média 300 pessoas”, revela.

“Os brasileiros vêm a Orlando com frequência, atraídos pelos preços baratos de eletrônicos, roupas e sapatos”, acrescenta. “No Brasil esses produtos são muito caros. Eu sei das lojas aonde gostam de comprar, então já deixo tudo preparado”. E o que desperta a atenção de Sean, em relação aos brasileiros, é a forma despojada e alegre no dia a dia. “São pessoas comunicativas e amigas. Quando chego em Recife, sinto-me em casa. Mesmo nas negociações com os empresários conta o fator amizade, o que considero importante para um bom convívio”, relata.

Livro e Revista Orlazil

Sean Slack disse que quer contar em livro a sua experiência com o Brasil – no âmbito de negócios -, e ele vem se preparando para escrever e publicar a sua obra. “O livro é educativo e vai orientar as pessoas e empresas nos Estados Unidos que queiram fazer negócios com o Brasil. São os meus vinte anos de experiência, convivendo com empresários brasileiros e viajando pelo país. Já fui ao Brasil 104 vezes”, diz com orgulho. “Tenho também a minha revista online, Orlazil, mensal, que entrevista celebridades do showbiz e do esporte. A revista é o meu sonho. Tenho contato com o pessoas de gravadora e da televisão”, enfatiza. “Tenho colabores importantes que escrevem para a revista, focados em negócios e turismo. São segmentos diversificados da informação. Estou indo em setembro para o Brasil, cobrir o Rock in Rio. É um evento musical respeitado e quero estar lá”, avisa.

“Eu gosto de viajar para Búzios, Porto de Galinhas e Porto Alegre. Quero conhecer muito mais do país porque têm regiões com costumes diferentes. Vejo, por exemplo, que as famílias brasileiras são muito mais unidas. Eu sei que o Brasil tem muitos problemas, e que o turista tem de tomar cuidado em alguns locais, mas é muito bom o convívio com as pessoas no país. Os Estados Unidos também têm problemas. E o Brasil não é só Copacabana, mulheres exóticas e Carnaval. Eu, quando vou para o Brasil, fico lá seis meses, em Recife, onde tenho o meu escritório. Não sou um mero turista”, justifica.

Indagado sobre a economia brasileira, o empresário – ex-jogador de futebol americano-, afirma que, “o mercado econômico brasileiro passa por altos e baixos e a presidente do país – Dilma Rousseff -, está com a popularidade em baixa. Outra questão é a corrupção na Petrobras, mas acredito que no futuro as coisas vão melhorar e o país vai encontrar o seu caminho”, fala confiante. “Com alta do dólar, houve uma queda na visita de brasileiros a Orlando. Diminuíram os grupos de turistas, mas hoje temos visitantes que vêm sozinhos. Eles chegam aqui e sabem onde ir, o que querem, isso é importante. Muitos compram casas e se estabelecem no país. Tenho muitos amigos brasileiros aqui, empreendedores. Tenho uma admiração especial pelo Brasil”, conclui.

Serviço

Telefone: 1-321-368-2166

sean@marquisintlgroup.com

www.marquisintlgroup.com