Divulgadores cobram explicação na sede da Telexfree nos EUA

Divulgadores cobram explicação na sede da Telexfree nos EUA

Alarmado, grupo ocupa escritório após empresa mudar sistema de remuneração

Carlos Costa, diretor de marketing da Telexfree - Foto: Reprodução
Carlos Costa, diretor de marketing da Telexfree – Foto: Reprodução

Divulgadores da Telexfree nos Estados Unidos foram até um escritório da empresa buscar explicações após mudanças no sistema de remuneração. As alterações foram feitas após o governo de Massachusetts confirmar que a companhia está sob investigação.

Vídeo divulgado nesta segunda-feira (17) numa rede social por um divulgador mostra Steve Labriola, diretor da Telexfree, pedindo para os divulgadores deixarem o escritório da empresa. As imagens foram divulgadas primeiro pelo blog BehindMLM, especializado em pirâmides financeiras. Não está claro em que dia elas foram feitas.

“[Uma atendente] me disse que não se podia andar aqui e eu quis vir rapidamente e dizer que, se é a coisa da recompra, por favor, apenas saiam porque nós estamos cuidando de vocês. Não precisam se preocupar”, disse Labriola no vídeo.

A recompra era um método usado para fazer créditos semanais nas contas dos divulgadores da Telexfree. Labriola disse que o sistema foi abandonado, mas que todos os divulgadores podem continuar a contar com o dinheiro que lhes é devido.

“Vocês não precisam ficar aqui. Tudo vai retornar aos seus escritórios virtuais até o fim da semana”, disse. “Sério, é só uma conversão, uma mudança.”

Ainda segundo o vídeo, Labriola admitiu que a empresa tem passado por “alguns percalços”, mas pediu para que os divulgadores não se preocupem pois “nós vamos dar tudo o que prometemos a vocês.”

No início deste mês, o governo de Massachusetts confirmou haver investigações contra a Telexfree no Estado – apontada como sede mundial da empresa e patrocinadora do Botafogo de Futebol e Regatas. Caso encontre irregularidades, a autoridade pode proibir a atuação local dos negócios, o que atrairia também a atenção de órgãos federais.

A reportagem entrou em contato com representantes da Telexfree, INC. por e-mail, mas não obteve resposta até a conclusão desta reportagem.

Ruanda ataca atividades da empresa

Nesta segunda-feira (17), o governo de Ruanda anunciou o banimento de um braço local do negócio, após uma investigação concluir que “as atividades da Telexfree Rwanda LTD. se assemelham a uma pirâmide financeira que pode facilmente ser usada para prejudicar o sistema financeiro e lavar dinheiro.”

Com o comunicado do país africano, somam sete os locais em que as atividades da Telexfree causaram alertas. Além de Brasil e Estados Unidos, o Banco Central do Peru, a Associação de Defesa do Consumidor de Portugal e a Polícia da Ilha de Jersey – território britânico – orientaram as populações a não investirem no negócio. Na República Dominicana, o Ministério Público iniciou apurações preliminares.

Os representantes da Telexfree sempre negaram qualquer irregularidade, e divulgaram nota para informar que o Ministério Público não instaurou investigação contra a Telexfree da República Dominicana. Sobre a pressão dos divulgadores americanos, mostrada no vídeo, a empresa não comentou.

Fonte: economia.ig.com.br