“Diversidade do Mercado Brasileiro”

voltar

SET/12 – pág. 46

Para empresários interessados em investir no Brasil, faz-se importante saber que o país é extremamente diversificado em seu contexto social, político, econômico e cultural. Em dados censitários recentes no Brasil, mais de 50 por cento da população se autoidentificou como negros, pretos ou pardos, alterando a maneira pela qual a população brasileira vinha se identificando nas últimas décadas.

Muitos estrangeiros, e mesmo alguns brasileiros, não têm consciência de que a maior população de negros fora da África é encontrada no Brasil, e não nos Estados Unidos ou em países do Caribe. Durante seus três séculos de história da escravidão, o Brasil recebeu um influxo de mais de 4,8 milhões de pessoas advindos do continente Africano.

Além de suas populações indígenas e pessoas de descendência africana, o Brasil também tem a segunda maior população de descendentes de japoneses fora do Japão. Historicamente, o Brasil também recebeu grupos de várias partes da Europa, como Portugal, Alemanha, Itália e Espanha, bem como imigrantes do Oriente Médio e diferentes partes da Ásia.

Entre alguns fatos sobre a população afrodescendente no Brasil coletados na página www.Afro-Brazilian.com, destacam-se:

• 49,6% dos brasileiros se identificam como mulatos, negros ou pardos;

• a escravidão no Brasil foi abolida oficialmente em 13 de maio de 1888;

• a partir de 2007, Salvador aparece como a maior área metropolitana concentrando afrodescendentes, com mais de 1,8 milhões (53,8%) de pardos e 990.375 negros (28,5%); o Estado da Bahia também tem o maior percentual de pardos (62,9%) e de negros (15,7%);

• embora a maioria da população seja católica, muitos praticam religiões afro-brasileiras como o candomblé e a umbanda. Um número crescente também pratica religiões protestantes em todo o país e no exterior;

• capoeira, um dos símbolos mais emblemáticos da cultura afro-brasileira, foi introduzida no Brasil por meio de escravos africanos de Angola e Moçambique;

• a cultura africana tem sido fundamental para o desenvolvimento da culinária brasileira: feijoada, uma das delícias da nossa culinária, foi desenvolvida por escravos africanos;

• negros ainda têm uma baixa representação na televisão brasileira e mídia em geral.

Compreender as diferenças regionais é crucial para o desenvolvimento de uma campanha de marketing de abrangência nacional. De acordo com o relatório sobre o Brasil – elaborado pela Millward Brown em 2006, a “identidade nacional tornou-se muito importante. ‘Brasilidade’ é algo que empresas e marcas estão explorando com mais frequência.” Por exemplo, as chinelas Havaianas carregam a bandeira brasileira em alguns de seus produtos, criando o sentimento de “unidade” através do uso do símbolo nacional para o consumo local e internacional.

As empresas que desejam fazer negócios no Brasil devem estar cientes de que o país é formado por uma população complexa, multicultural e dinâmica.  Ao se utilizarem de pesquisas específicas voltadas aos mercados locais e regionais, com análise de dados demográficos recentes e tendências econômicas atualizadas, empresários poderão elaborar campanhas de sucesso que atraiam novos consumidores e parcerias nacionais e internacionais. O respeito às diferentes camadas sociais e uma sensibilidade às questões raciais podem definir o sucesso dessas campanhas.

Paulo Lima
Consultor Sênior
Lagrant Communications